Interlagos é testado para o GP Brasil

O primeiro ensaio prático para o GP Brasil de Fórmula 1, dia 31 de março, aconteceu neste sábado pela manhã no autódromo de Interlagos, em São Paulo. 55 voluntários fizeram uma simulação da largada, com todos os procedimentos e problemas que podem ocorrer - como cancelamento da partida e o trabalho dos "empurradores" para remover os carros parados no grid. Até o movimento das placas indicativas tem de ser treinado para sair da maneira correta, sincronizada. Quatro modelos da fórmula júnior, categoria do automobilismo brasileiro, participaram da ação. Mas o objetivo maior da atividade é preparar as pessoas envolvidas, que estarão no GP, para saberem exatamente como agir nos casos de necessidade. Não se pode improvisar ou tomar a decisão de momento. Tudo precisa estar decorado e na ponta na língua: questão de segurança e de exigência da FIA (Federação Internacional de Automobilismo), que dita as regras em mínimos detalhes. Não que os voluntários sejam novatos no evento. Ao contrário. A maioria deles, segundo a Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA), já integra o processo desde o fim da década de 70, logo após a realização dos GPs iniciais no país - o de abertura aconteceu em 1972. "Tem gente que está conosco há vários anos, sim. E os mais novos estão completando a sua quarta, quinta prova. Isso aumenta nossa confiança e contribui para o sucesso de todo o esquema", explicou o presidente da CBA, Paulo Scaglione. Agora, depois de testada a largada, serão efetuados ensaios práticos de box, pista e resgates (a pé e motorizados). A previsão é de que cerca de outras cinco ações sejam necessárias, cada uma com a respectiva equipe encarregada do serviço. "Porém se acharmos seguro ter um maior número, vamos fazendo", esclareceu Scaglione.Paralelamente, enquanto as equipes esportivas vão treinando os procedimentos, operários da Prefeitura e das empresas contratadas seguem preparando o autódromo para receber os pilotos. Pilhas de entulhos vão sendo amontoadas perto dos box, ao mesmo tempo que arquibancadas são levantadas. "É normal. São ajustes de praxe", argumentou o presidente da CBA. Impermeabilização dos telhados dos boxes, da torre, das salas vips e de imprensa, acerto de pódio, colocação de ar-condicionado, lâmpadas, conserto de portas e limpeza são alguns deles.Na pista, está sendo efetuada a troca das caixas de brita da maior parte do circuito por área de escape asfaltadas. Foi uma determinação da FIA e uma exigência do delegado de segurança da entidade, Charlie Whitting, em sua recente visita a Interlagos. "A parte de logística e de engenharia nunca param de atuar. E estão totalmente dentro das tendências e ordens da FIA. Não há problemas", garantiu Scaglione.No próximo dia 16, um ensaio geral deve acontecer no autódromo - aí, com a presença de quase 600 voluntários. Uma semana antes do GP, os fiscais da FIA retornam ao local para fazerem a vistoria definitiva, de segurança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.