Interlagos fica no calendário da F-1 até 2014

Prefeitura de São Paulo fecha renovação com o presidente da FOM, Bernie Ecclestone

Almir Leite, especial para o Estadão

21 de outubro de 2007 | 16h48

A concorrência vai ter de esperar mais um pouco. O GP do Brasil de Fórmula continuará a ser realizado em Interlagos até 2014. O processo de reforma do autódromo vai prosseguir, para dar mais conforto e segurança a integrantes das equipes, pilotos e público. Ainda este ano começa a expansão do paddock e a construção de nova arquibancada fixa, com capacidade para 10 mil pessoas.  Veja também: Raikkonen vence no Brasil e é campeão da Fórmula 1 em 2007 Equipes não são punidas e Raikkonen é campeão  A vitória e o título de Raikkonen O acordo para renovação do contrato foi fechado ontem de manhã pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM) e o promotor da corrida, Tamas Rohonyi, com o presidente da FOM (Formula One Management), Bernie Ecclestone, promotor do espetáculo. E os organizadores brasileiros conseguiram o que tanto queriam: o ministro dos Esportes, Orlando Silva, participou da reunião e garantiu o apoio do governo federal aoGP. O compromisso atual de Interlagos com a Fórmula 1 se encerra em 2009, mas Ecclestone veio ao Brasil especialmente para cuidar de sua extensão. O contrato será assinado dos próximos dias. "Negociamos em condições bem favoráveis para São Paulo. É um evento importante para a cidade. Traz turistas, receita e empregos", disse Kassab ao Estado. A cidade tem uma receita estimada de R$ 150 milhões com a corrida. O prefeito foi a Interlagos de trem. A viagem, da estação Cidade Jardim à recém-inaugurada estação Autódromo durou 50 minutos, de acordo com ele. "De lá, vim a pé. São cerca de 700 metros, mas foi fácil.'' Kassab não deu detalhes sobre essas "condições favoráveis''. Sabe-se, porém, que o valor a ser pago pelo GP vai subir em relação aos US$ 5 milhões pagos até hoje. No entanto, ficará bastante abaixo dos US$ 15 milhões que o presidente da FIA, Max Mosley, num acesso de ganância em conseqüência do interesse de países asiáticos em fazer parte do "circo", chegou a falar meses atrás.  Kassab explicou que todas as reformas necessárias serão feitas ao longo dos próximos cinco anos. "O autódromo vai melhorar cada vez mais. Aliás, a cidade foi parabenizada pelo trabalho de recapeamento da pista feito este ano.'' Essa obra custou R$ 5 milhões. Outros R$ 30 milhões foram gastos na infra-estrutura necessária para deixar o autódromo em condições de receber o GP, em item como o aluguel e montagem das arquibancadas móveis. Com a construção de nova arquibancada fixa - no final da reta, atingido também o S do Senna - e a ampliação da capacidade de 5,3 mil para 8 mil da arquibancada feita este ano, o custo com as tubulares vai ser reduzido em 2008.   O paddock será ampliado, provavelmente, com a construção de uma laje na parte de trás das dependências atuais. "E também será feito um segundo andar em cima da área de box, que servirá como escritório para as equipes", acrescentou Caio Luiz de Carvalho, da SPTuris, responsável por administrar o autódromo. O prefeito Kassab falou também da criação de uma arena para shows em Interlagos, que deverá ficar paralela à reta oposta. O valor da obras não foi estabelecido, ainda. Também não está claro se o governo federal irá colaborar financeiramente. O ministro Orlando Silva, no entanto, garantiu apoio. "Vamos dar suporte no quer for necessário para que Interlagos se aproxime cada vez mais do padrão internacional."

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Autódromo de Interlagos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.