IRL: brasileiros torcem por traçado misto

A nova IRL será mais lenta, segura e equilibrada em 2004. As mudanças técnicas - cilindrada reduzida, tanque de combustível menor, limite de testes e novo pacote aerodinâmico - deverão nivelar os conjuntos, privilegiando os pilotos mais técnicos. O trio brasileiro formado por Hélio Castro Neves, Tony Kanaan e Felipe Giaffone, que se reuniu na segunda-feira no L?Hotel, em São Paulo, começa os testes em janeiro, torcendo pela aprovação de duas corridas em traçado misto. A temporada começa dia 29 de fevereiro, em Homestead. "Não vejo a hora de correr em um misto", diz Giaffone que só compete em ovais desde 2001.Dos três pilotos, Giaffone é o único que ainda depende de um patrocínio para correr a temporada. A Hollywood só garantirá 50 por cento do orçamento. Giaffone está na expectativa de que a equipe Mo Nunn consiga uma empresa americana para assegurar a presença de, pelo menos, um carro na pista. Mas não descarta a possibilidade de uma mudança de equipe. Mas a preferência é pelo motor Toyota.Hélio Castro Neves vai para seu quinto ano na Penske e o terceiro na IRL e terá como companheiro o bicampeão Sam Hornish Jr., contratado para substituir Gil de Ferran. Hornish sempre correu sozinho e, nos primeiros contatos na equipe, deu a impressão de que não pretende dividir ou trocar informações. "Eu estou fazendo como o Rivaldo, ali no meio, tentando acertar tudo. Vamos ver no que vai dar", diz Helinho. A Penske correrá em 2004 com chassi Dallara e motor Toyota.Tony Kanaan terá três companheiros de equipe na Andretti Green, todos com Dallara/Honda: Dario Franchitti, Dan Wheldon e Bryan Herta. "Como teremos menos testes, com quatro pilotos poderemos aproveitar melhor", justifica Tony. Os motores Honda, Toyota e GM terão 3,0 litros no lugar dos 3,5 litros a partir das 500 Milhas de Indianápolis; as equipes serão obrigadas a fazer o treino de qualificação e corrida com o mesmo motor; a capacidade dos tanques de metanol será reduzida de 35 para 30 galões (3,78 litros por galão), exigindo um número maior de pit stops; cada equipe só terá direito a 5 testes de dois cada durante o ano; os chassis vão ganhar sulcos na parte de baixo para evitar que decolem; as fábricas de motores terão ainda mais três dias de testes para as respectivas equipes. Com exceção da cilindrada do motor, as demais alterações já entrarão em vigor a partir da primeira corrida do ano.Calendário - O primeiro teste coletivo está marcado para os dias 28 e 29 de janeiro, no circuito de Homestead que foi reconfigurado e passará a ser feito de pé embaixo. "Estas mudanças vão limitar custos e tornar as corridas menos perigosas. Mas sem tirar a disputa", avalia Tony Kanaan.O calendário da IRL está fechado com 16 corridas. Mas os pilotos brasileiros ainda aguardam a confirmação das duas primeiras corridas da IRL em traçados mistos para 2004. A primeira poderia ser em Long Beach e a segunda no Canadá, talvez em Montreal. "Para nós, brasileiros, isso seria perfeito. Teríamos chances maiores", diz Hélio Castro Neves.Os testes de dezembro, deixaram Helinho animado. Ele foi o mais rápido em Phoenix, seguido por Sam Hornish, e também cravou o melhor tempo em Homestead, seguido por Tomas Scheckter. Em 2004, pelo menos, um piloto vai chamar a atenção nas primeiras corridas: o inglês Mark Taylor, campeão da Infiniti Pro Series este ano, que substituirá Hornish na Panther. "Ele parece bom", analisa Kanaan.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.