IRL: Kanaan tenta quebrar jejum

Tony Kanaan comemorou neste domingo a pole position para as 500 Milhas de Indianápolis com muito trabalho. Primeiro, posou para fotos no circuito e recebeu o prêmio de US$ 100 mil (R$ 247 mil). Depois, voou para a fábrica da Honda em Ohio, almoçou com diretores, participou de uma sessão de autógrafos e ainda fez uma palestra para os funcionários sobre a importância do trabalho em equipe. Nesta quarta-feira ele recomeça os treinos."É um grande prazer retribuir com resultados o que o Michael Andretti e a equipe fizeram por mim. O Michael apostou em mim quando eu estava em baixa. Por isso consegui a primeira vitória da equipe, a primeira pole, o primeiro título, a primeira pole em Indianápolis e vou fazer de tudo para conseguir a primeira vitória da Andretti Green em Indianápolis", disse.Esta é a quarta vez que um piloto brasileiro conquista a pole em Indianápolis. O primeiro foi Émerson Fittipaldi (1990). Depois Bruno Junqueira (2002) e Hélio Castro Neves (2003). Nenhum deles venceu a corrida no ano que conquistou a pole. "Vou tentar quebrar esse tabu", disse Tony.Os pilotos da Indy Racing League terão mais três dias de treinos a partir de amanhã. Depois só o Carburation Day, quinta-feira, dia 26. A corrida, quinta etapa da Indy Racing League, será dia 29. Nos três treinos, Kanaan diz que a equipe estará trabalhando para o acerto final do carro. "Até agora, trabalhamos 70% para a classificação. Agora isso muda."Ano passado ele perdeu a prova porque seu carro tinha mais pressão aerodinâmica, garantindo estabilidade no tráfego. Mas Buddy Rice, com menos pressão, ganhou no final porque o carro era mais rápido. "É isso que levaremos em consideração a partir de agora."Em uma prova longa, a posição de largada tem uma importância relativa. Mas Tony Kanaan explica a vantagem de largar na frente: "Se eu conseguir manter a ponta, posso ditar o ritmo da prova no começo. E, dessa forma, corro menos risco de acidente do que os pilotos do meio do pelotão."Hélio Castro Neves largará em 5.º, Vitor Meira em 7.º e Bruno Junqueira em 12.º. Danica Patrick, com o 4.º lugar, tornou-se a mulher que melhor se classificou para a prova.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.