Irritado, Schumacher chega a São Paulo

A maior estrela da Fórmula 1 desembarcou nesta quarta-feira, em São Paulo. Com o sétimo título garantido, Michael Schumacher demonstrou irritação e ansiedade pela chegada das férias. O irmão de Schummy, Ralf, piloto da Williams, também parece não ver a hora de ganhar folga da escuderia inglesa.A manhã desta quarta-feira no Hotel Transamérica, onde a maioria dos pilotos está hospedada, foi agitada. Funcionários e integrantes da Ferrari davam informações desencontradas sobre a chegada de Michael. "Não, não sei quando ele chega. E mesmo que soubesse não diria", disse uma pessoa da equipe italiana.Pouco antes das 10 horas, Ralf passou pelo saguão "voando", sem falar com ninguém. Entrou em uma BMW prateada acompanhado de um amigo e saiu dirigindo rumo ao autódromo de Interlagos. Pouco tempo depois, às 10h30, Michael chegou de helicóptero ao hotel, acompanhado da mulher, Corina.Logo que percebeu a presença da imprensa, apressou-se. Com cara de quem tinha acabado de acordar, falou muito pouco sobre a última corrida do ano. "O que espero? Espero vencer", resumiu o alemão. E o que acha de estar no Brasil para a última prova do ano? "Adoro o Brasil, mas prefiro quando posso ficar em paz", respondeu Schummy cortando o assunto.Quando percebeu que o cinegrafista da Rede Globo continuou filmando seu trajeto dentro do hotel, o piloto da Ferrari chegou ao limite da paciência: parou, se aproximou, abaixou a câmera e disse: "Agora chega." Subiu rapidamente para sua luxuosa suíte, localizada no andar VIP do hotel, o oitavo, de onde saiu para almoçar.No restaurante italiano Verbena, localizado no próprio Transamérica, pediu minestrone e um filé mignon mal passado e não comeu sobremesa. Na saída, tomou chá com mel de laranjeira. Em seguida, subiu novamente para a suíte, de onde não saiu até o horário da coletiva para o jogo beneficente no Parque Antártica.Rotina - Os números mostram que a prova brasileira é especial para o piloto. Se chegar entre os três primeiros no GP de domingo, Schumacher subirá ao pódio pela 100º na carreira, a 11ª no Brasil. Foi em Interlagos que o alemão conquistou seu segundo pódio da carreira, em 1992. Correndo pela Benetton, chegou em terceiro, atrás do inglês Nigel Mansell e do italiano Ricardo Patrese, ambos da Williams. Quatro anos depois, no mesmo circuito, conquistou o primeiro pódio pela Ferrari, em 1996, chegando em terceiro lugar - atrás de do inglês Damon Hill, da Williams, e do francês Jean Alesi, da Benetton.Outro alemão teve mais sossego e conseguiu perambular tranqüilamente pelo saguão do hotel. Era o piloto da Jordan, Nick Heidfeld, que prefere que a pista esteja molhada no domingo. "O desempenho da Jordan é melhor na chuva", disse Heidfeld, que ainda não sabe se disputará a temporada de 2005. "Ainda existem possibilidades na Jordan, Minardi e Jaguar, mas não tenho uma data decisiva para saber disso", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.