Italianos eufóricos com o GP de Monza

Já não há mais ingressos para o GP da Itália, domingo, em Monza. E não era para menos: será a primeira vez que Michael Schumacher e a Ferrari irão se apresentar para a fanática torcida italiana depois da conquista dos títulos de pilotos e de construtores, na Hungria, mês passado. A prova tem como atrações também a estréia de dois pilotos: o tcheco Tomas Enge irá substituir Luciano Burti, que já deixou o Hospital de Liege, na Prost, e o malaio Alex Yoong corre no lugar de outro brasileiro, Tarso Marques, na Minardi. Cerca de 280 mil pessoas são esperadas nos três dias de competição no autódromo de Monza, localizado próximo a Milão.Os tifosi querem ver de perto que Ferrari é essa, o modelo F2001, que somou até agora, em 14 etapas, quase o dobro de pontos da McLaren: 152 a 81. O seu piloto de recordes históricos, Michael Schumacher, apesar de não morar no coração dessa gente, não deixa de ser também uma grande atração. Burti já está em casa, em Mônaco, sem nenhuma sequela do grave acidente sofrido na Bélgica. "Sou a única pessoa no mundo capaz de dizer quando vou voltar a pilotar um carro de Fórmula 1", afirmou. Sua vaga no GP da Itália será ocupada pelo vice-líder do campeonato da Fórmula 3000, Tomas Enge, de 25 anos. Será a primeira vez que a República Tcheca terá um piloto no Mundial. A Malásia assistirá também à estréia do país na Fórmula 1, com Alex Yoong. Dessa forma, o Brasil passa a ser representado apenas por Rubens Barrichello, na Ferrari, e Enrique Bernoldi, na Arrows. O GP da Itália é a antepenúltima etapa da disputa pelo título de vice. David Coulthard, McLaren, tem 57 pontos, Rubens Barrichello, 48, e Ralf Schumacher, Williams, o favorito para vencer domingo, 44.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.