Gonzalo Fuentes / Reuters
Gonzalo Fuentes / Reuters

Jean Todt diz que é momento de deixar Schumacher viver a vida em paz

Chefe da Fórmula 1 e amigo pessoal do piloto se recusa a dar informações sobre o estado de saúde do alemão

Estadão Conteúdo

31 de julho de 2018 | 11h04

Uma das poucas pessoas que tem acesso a Michael Schumacher, o presidente da FIA, Jean Todt, se recusou a comentar sobre o estado de saúde do heptacampeão mundial. Segundo ele, é tempo de deixar o piloto alemão descansar.

+ Sem brasileiros no grid da F-1, Todt pede maior investimento do País na base

+ Tratamento de Schumacher após acidente já custou R$ 110 milhões, segundo jornal

“É momento de deixar o Schumacher viver sua vida em paz", respondeu Todt ao jornal argentino La Nación, sem dar maiores detalhes. Indagado pelo jornal para dar apenas uma visão superficial do estado de saúde de Schumacher, Todt disse outra vez de que é preciso deixar o alemão em paz.

Schumacher está hospitalizado desde dezembro de 2013, quando se chocou com uma rocha ao esquiar nos Alpes Suíços. O piloto passou seis meses em coma, e, desde então, a imprensa não obteve mais informações, já que a família prefere manter a privacidade sobre o estado de saúde do heptacampeão.

Todt foi chefe da Ferrari entre 1993 e 2007, período que engloba o período áureo do alemão, que conquistou cinco títulos nas temporadas de 2000 a 2004. Os dois construíram grande amizade nesta época. Todt recuperou a Ferrari, que passava por uma fase péssima quando assumiu, e conquistou oito títulos de construtores na equipe.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.