Jens Buettner/EFE
Jens Buettner/EFE

Consultor, Jenson Button quer passar mais tempo com Williams em 2022: 'Pandemia limitou'

Ex-piloto reconhece que não conseguiu estar tão presente com Albon e Latifi, titulares da equipe em 2021, mas quer reverter cenário na temporada deste ano da Fórmula 1

Redação, Estadão Conteúdo

03 de janeiro de 2022 | 10h51

Ex-piloto e campeão da Fórmula 1 em 2009, Jenson Button espera passar mais tempo com a Williams em 2022. Foi no início do ano passado que o britânico firmou contrato com a equipe para orientar e aconselhar os pilotos, mas, por conta da pandemia do novo coronavírus, não conseguiu estar tão presente. Button admite que passou pouco tempo com o tailandês Alex Albon e o canadense Nicholas Latifi, titulares nesta temporada, mas espera que esse cenário mude.

"Passei muito tempo com Dave Robson, o engenheiro-chefe da equipe, Jost Capito, e também com o time de marketing. Mas eu não passei muito tempo com os pilotos em 2021 porque não consegui entrar na sala de engenharia. Então não consegui entrar na garagem por causa das restrições", disse.

"Não foi um ano fácil, realmente. Eu só fui permitido a circular na área de alimentação, na área de hospitalidade da equipe, e são os lugares em que pude realmente passar um tempo com os engenheiros e Jost", continuou.

Ainda que o tempo seja curto, Button acredita que tem sido um bom trabalho. "Acho que tem sido bom, mas definitivamente tem sido limitado, o que é uma pena para os dois lados. Mas farei muito mais com eles no novo ano", falou o britânico, campeão em 2009 com a BAR, atual Mercedes.

A Williams não teve uma temporada fácil. Embora Latifi e George Russell, que subiu para a Mercedes neste ano, tenham conquistado seus primeiros pontos em 2021 - inclusive, com um pódio do britânico ao ficar com o segundo lugar na "não-corrida" do GP da Bélgica -, a escuderia britânica sofreu com um carro ainda muito abaixo e pouco competitivo. É por isso que o ex-piloto e agora consultor do time espera passar mais tempo com os pilotos, para ajudá-los a estarem bem preparados para qualquer adversidade.

"É uma grande equipe, eles têm uma boa equipe de pessoas. E vou passar muito mais tempo com eles, com os pilotos e os jovens da academia também. Também vou passar um pouco de tempo na sala de simulador com eles. Não pilotando como eu gostaria de estar, Mas para ver como eles lidam com suas corridas e como eles trabalham com a equipe", explicou.

"É aí que realmente está a minha força nas corridas, é o trabalho em equipe. E definitivamente trago muita experiência nessa área", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.