Julgamento de Schumacher será quarta

Michael Schumacher terá de esperar até quarta-feira para saber se ficará menos rico. A corte belga que julgaria hoje uma ação contra o tricampeão impetrada pela empresa Sports Europe, especializada em capacetes para pilotos de Fórmula 1, adiou o julgamento. Segundo o advogado da empresa, Daniel Spreutels, o ídolo alemão da Ferrari teria cometido quebra de contrato. Schumacher, que teria de usar capacetes da Bell em todos os treinos e corridas que disputasse, utilizou-se de uma marca concorrente, a Schubert, em janeiro, durante alguns treinos da pré-temporada, em Barcelona. O empresário do piloto, Willy Webber, justificou a atitude do piloto, alegando que ele estava preocupado com a segurança. O modelo chamou atenção por ser à prova de balas. Segundo Spreutels, o alemão pode ser punido em até US$ 125 mil por cada dia em que não usou o capacete da Bell. Schumacher usa a marca desde 1992 e seu contrato termina no fim deste ano. Disputa - Os representantes das grandes montadoras envolvidas com a F-1 estão tentando impedir que a empresa alemã de telecomunicações, EM.TV, compre mais 25% da Slec, companhia criada por Bernie Ecclestone e que detém os direitos comerciais da categoria. A EM.TV já é detentora de 50% da Slec, mas tem até quarta para exercer seu direito de compra de mais 25% das ações, avaliadas em US$ 1 bilhão. As montadoras não querem a F-1 controlada por uma empresa de comunicação, temendo que o aspecto esportivo seja relegado e que as corridas passem a ser transmitidas por canais fechados. Elas têm o apoio do presidente da FIA, Max Mosley, para quem as montadoras deveriam obter parcelas da Slec. Honda - Em Tóquio, a Honda promoveu a apresentação oficial do motor RA001E, com a presença dos pilotos e chefes de equipe da Jordan e BAR, que se utilizarão dos propulsores da fábrica japonesa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.