Junqueira faz o melhor tempo na Indy

O primeiro dia de treinos para o GP de Nazareth de F-Indy, nesta sexta-feira, no Nazareth Speedway, mostrou bem a importância de se conhecer uma pista e ter um bom acerto para ela. Do contrário, pode-se pagar um preço alto. O brasileiro Bruno Junqueira, estreante na categoria, fez o melhor tempo do dia, percorrendo o trioval de 0.928 milha (1,522 quilômetro) em 20s485, em sua volta mais rápida (média de 267s544). Outro brasileiro, Tony Kanaan foi apenas o 23º colocado, com 21s472. Neste sábado será definido o grid de largada para a prova de domingo. A tomada oficial de tempos, neste sábado, tem início previsto para as 14h30, horário de Brasília. Como trata-se de prova em oval, os pilotos irão à pista um a um, com a ordem de entrada obedecendo à classificação do campeonato, beneficiando os melhores colocados - o líder Cristiano da Matta é o último a entrar na pista. A meteorologia prevê tempo bom, mas não descarta a possibilidade, ainda que pequena, de chuva durante o treino classificatório. A diferença de quem conhece ou não o circuito pode ser explicada por um detalhe: a Chip Ganassi, equipe de Bruno Junqueira, escolheu Nazareth para treinar na pré-temporada e de quebra esteve no circuito há cerca de dez dias, quando a Cart deu às estreantes da temporada uma chance a mais para se adaptarem a circuitos ovais. Já a Mo Nunn, equipe de Kanaan, ignorou os ovais na pré-temporada, apostando no histórico de bom acertador de carros para pistas ovais que acompanha Morris Nunn, o dono da equipe. O resultado pôde ser sentido no treino. "Fizemos um grande trabalho e toda a programação da equipe deu resultado. Me senti muito bem na pista e o carro correspondeu às nossas expectativas??, festejava Bruno Junqueira. "Estamos pagando o preço por não termos testado em ovais. Estamos perdidos. Confiamos no bom acerto que tínhamos no ano passado e não está dando certo", lamentava Kanaan. Um detalhe pode ter atrapalhado os treinos. No ano passado, a equipe de Tony tinha o chassis acertado para motores Mercedes. Este ano, estão utilizando os Honda. O treino foi bom para os brasileiros da Penske. Hélio Castro Neves fez o terceiro tempo do dia (20s680, logo atrás do italiano Max Papis, da Team Rahal, que fez 20s653) e Gil de Ferran o sexto (20s882). Foram os únicos com chassis Reynard entre os seis primeiros no treino dominado pelos Lola. "A Penske está forte para esta pista??, disse Helinho. "Precisamos melhorar, mas estamos bem??, completou Gil de Ferran, que sonha em repetir em Nazareth a vitória do ano passado, a 100ª da história da Penske. Dos outros brasileiros, Cristiano da Matta (Newman-Haas) foi o nono; Christian Fittipaldi (Newman-Haas), o 14º; Roberto Moreno (Patrick), o 19º; e Max Wilson (Arciero-Brooke), o 22º. Maurício Gugelmin, da PacWest, não participa do GP por causa da morte de seu filho Giuliano, aos 6 anos, quinta-feira, em Miami, por complicações respiratórias. Os pilotos reclamaram da sujeira na pista, mas admitiram ser algo normal no primeiro dia. Também constataram ondulações na curva 2 do circuito. Indy no Brasil - A possibilidade de a etapa brasileira da F-Indy ser realizada em Salvador a partir do próximo ano é admitida pela Cart. A entidade, porém, adota a prudência sobre o assunto e limita-se a informar por meio de seu porta-voz que ainda não há nada decidido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.