Justiça garante GP do Brasil de F-1

O Brasil terá o seu Grande Prêmio de Fórmula 1 em 2004. Quem garante é a Justiça. Nesta segunda-feira, o juiz relator Sérgio Coimbra Schmidt, da 6ª Câmara do Tribunal de Justiça, concedeu o efeito suspensivo à liminar que suspendia a realização da prova programada para dia 24 de outubro em Interlagos. E sua argumentação é a mais lógica: não há a necessidade de uma medida liminar 11 meses antes do evento. "Vamos debater a questão com o Ministério Público, mas com tranquilidade, sem a truculência das interrupções", disse a secretária municipal de Esportes, Nádia Campeão. Agora a ação proposta pela Promotoria de Justiça da Cidadania de São Paulo irá correr seu curso normal em primeira instância.A ação questiona o retorno para o município dos US$ 8 milhões investidos pela prefeitura, por ano, no GP do Brasil. "Acredito que estão todos contentes com a decisão da Justiça", disse o promotor da prova, Tamas Rohonyi, da Interpro. "O que será julgado agora é o mérito da ação e isso nos dá o tempo necessário para apresentarmos os dados solicitados pela promotoria", comenta Rohonyi. O secretário dos Negócios Jurídicos de São Paulo, Luiz Tarcisio Teixeira Ferreira, não acredita que haja nova tentativa de suspender a realização da corrida. "Os recursos jurídicos são escassos e nós estamos até pensando em propor à Promotoria de Justiça um acordo na ação." Essa possível estabilidade, sem a discussão se haverá ou não o GP, é o que mais destaca Rohonyi. "Podemos tocar o projeto, que estava parado." Nádia lembrou que se não houver acordo, a ação não será concluída até a disputa da prova. "Teremos o GP e a ação seguindo seu curso na Justiça." A secretária espera ter até fevereiro todas as licitações para as obras em Interlagos já publicadas, o que deverá evitar a conhecida correria de última hora que caracteriza o GP do Brasil. "Vamos discutir a renovação do contrato com os promotores por mais 4 ou 5 anos tendo já uma boa defesa para a ação e um amplo estudo dos benefícios para São Paulo de se investir na corrida."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.