Kanaan continuará na Mo Nunn

A Mo Nunn anunciou depois dos treinos livres de sexta-feira em Fontana que o brasileiro Tony Kanaan continuará na equipe em 2002. Não era o que Kanaan queria. O otimismo do piloto no começo da temporada da Fórmula Indy deu lugar à insatisfação com o rendimento da equipe, que cometeu muitos erros de acerto e estratégia durante o ano, inclusive tirando-lhe a possibilidade de ganhar corridas em que vinha bem. Na metade da temporada, já reclamava abertamente e dizia que embora desse tudo não tinha condição de competir com os demais. Quando recebeu a proposta de Chip Ganassi, dono de uma das melhores equipes da Indy, Kanaan viu a oportunidade que precisava para voltar a mostrar seu talento e vencer, como quando foi campeão da Indy Lights. Só que o patrão não deixou. Morris Nunn esqueceu a promessa de que liberaria o brasileiro caso surgisse oportunidade em escuderia melhor. E, fazendo valer o contrato, impediu que o piloto saísse, obrigando-o a renovar por mais um ano. Pode não ser o que queria, mas pelo menos Kanaan sabe onde estará no ano que vem. Ao contrário de Bruno Junqueira, campeão da Fórmula 3000 Internacional, contratado como grande promessa. Após uma temporada de alguns momentos de glória, como a vitória em Elkhart Lake, e vários infelizes, como a batida em Christian Fittipaldi na entrada do box em Cleveland, não se garantiu. Uma bela corrida em Fontana no dia em que completa 25 anos poderia garantir-lhe o emprego já que a equipe só vai anunciar seu segundo piloto (o outro será Kenny Brack) após a corrida. Gil de Ferran já ganhou o título e Kenny Brack tem o vice-campeonato praticamente garantido. Mas o terceiro lugar ainda está em jogo, com Hélio Castro Neves e Michael Andretti empatados com 141 pontos. Se continuarem empatados, Helinho levará a melhor, pois tem três vitórias, contra uma de Andretti.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.