Divulgação/Indycar
Divulgação/Indycar

Kanaan está aliviado por estar no grid das 500 milhas de Indianapolis

Brasileiro reforça não ter rancor da Andretti nem desejar o mal para a ex-equipe

TIM REYNOLDS, AP

24 de maio de 2011 | 21h08

MIAMI - Tony Kanaan não vê razão para estar rancoroso. Ele está nas 500 milhas de Indianapolis, e para Kanaan, isto é mais do que suficiente após os avessos últimos meses em que sentiu o equivalente a estar desempregado, para um piloto de corridas. E justamente porque a equipe que resolveu mandá-lo para outro caminho após 2010 - a Andretti Autosport - lutou bravamente para se classificar para a grande corrida da Fórmula Indy, Kanaan vê que não tem razões para uma comemoração adicional.

A Andretti falhou com cinco carros na classificação para as 500 milhas. Apenas três conseguiram, e Kanaan está na 23.ª posição do grid de largada pela KV Racing Technology-Lotus. "As pessoas pensam que estou feliz com aquilo", Kanaan diz. "Mas não sou assim. Você nunca pode desejar algo ruim. Eu tenho muitos amigos, são tantas pessoas que são minhas amigas naquela equipe. Estou triste com o que vi". Uma perspectiva diferente provavelmente será entendida.

Sua passagem pela Andretti terminou quando a 7-Eleven encerrou o contrato de patrocínio primário do carro. É uma regra simples na Indy: sem patrocínio, sem corrida. Mesmo com um piloto popular como é Kanaan não é uma exceção da realidade. Então, o brasileiro teve de procurar trabalho por ele mesmo - primeiro com a Dragon Racing, num acordo que terminou antes mesmo de começar por falta de apoio empresarial, e depois com a KV Racing, iniciando um acordo dias antes da abertura da temporada da Fórmula Indy.

Alguns podem falar ser levemente curioso que a 7-Eleven esteja presente de novo na garagem da Andretti, mas Kanaan insiste que não tem rancor. "Você pode dizer, 'oh, eles demitiram o Tony. O patrocinador saiu'", diz Kanaan. "E, sim, é estranaho que o patrocinador esteja de volta. Mas eu não estou lá. Eu não sei qual é o acordo. Você tem de fazer o que tem de fazer. Se eles decidiram voltar, não é da minha conta. Quando tudo aconteceu, eu sei que foi porque o patrocinador saiu. Eu sei que poderia não estar aqui por causa disso".

Kanaan, campeão em 2004 da Fórmula Indy, é popular tanto com os torcedores quanto com muitos pilotos, e acredita que será bem recebido por todos na corrida de domingo, após a incerteza dos últimos meses. "Estou feliz por estar com bons amigos como Tony", diz Oriol Servià, da Espanha. "É claro que estou feliz por ele estar fazendo certo. E ele com a KV Racing, uma equipe pela qual dirigi por três anos. Eu estou muito feliz por ele estar na corrida, seguro, e se eu sei alguma coisa sobre o Tony e aquela equipe, é que vão lutar para ganhar essa corrida. É sempre divertido correr com esses caras que você mais respeita."

Kanaan admitiu que, num primeiro momento, estava chateado por não correr mais para Michael Andretti, o que não surpreende ninguém. Ele e Andretti sentaram-se quando o contrato de patrocínio acabou, e poucas palavras precisavam ser ditas. "Eu olhei nos olhos dele e percebi que era uma vergonha. Era uma perda para ambos. Ele não estava feliz". Andretti não estava feliz na semana passada, de novo.

Mike Conway, da Inglaterra, que recebeu o novo patrocínio da 7-Eleven sponsorship, falhou em se classificar, como Ryan Hunter-Reay. Apesar disso, o último conseguiu um acordo para substituir Bruno Junqueira no carro da AJ Foyt. Nem Marco Andretti ou Danica Patrick conseguiram vaga no grid até domingo. Apenas John Andretti se classificou no Sábado.

Domingo "provavelmente foi meu pior dia como chefe", Michael Andretti disse. Na segunda, Tom Anderson, diretor de competições da Andretti, perdeu seu emprego. Independente disso, Kanaan retornou para Miami, sorrindo, aliviado e pronto para retornar para Indianapolis com a chance de vencer a grande corrida da categoria.

"Estou indo para tentar vencer", diz Kanaan. "Estou indo para tentar fazer uma grande largada e relargadas. Os fãs tem me perguntado por isso. Muitas pessoas estão realmente incomodadas porque não estou largando na frente. Eu não vou dizer que estamos indo para vencer, mas após esses últimos dias 15 dias e o que aconteceu na pista, eu posso dizer que esta corrida não tem dono." (traduzido por Milton Pazzi Jr.)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.