Kanaan: "Para nós campeonato começa agora"

A Toyota ganhou 8 das 10 corridas da temporada da Indy Racing League até agora. A Honda tem duas vitórias e a Chevy, que só reagiu a partir de Michigan, ainda não venceu. Este é o desafio do brasileiro Tony Kanaan, o único dos favoritos ao título que corre com Honda. Domingo, ele disputa a 11ª etapa do campeonato em Madison e promete: "Para nós o campeonato começa agora". A IRL, incluindo Madison, tem mais 6 etapas para definir o campeão. "Não tenho dúvida de que o título só será decidido na penúltima corrida, em Fontana, ou na última, no Texas", disse Kanaan, hoje de manhã, ainda sentindo os efeitos de uma gripe forte que pegou no último final de semana. O piloto diz que vai partir, de vez, para cima dos adversários. "Agora só um estilo mais agressivo pode adiantar. Temos que chegar na frente". O oval de Madison mede 1,25 milha (2011 metros) e Kanaan está animado com a adaptação de seu Dallara/Honda ao circuito. Na semana passada, em um teste coletivo, ele foi o mais rápido. O segundo colocado foi Gil de Ferran que, no ano passado, foi pole e ganhou a corrida depois de 200 voltas. A pole de Gil é o recorde oficial da pista com a média horária de 281,768 km. A classificação da IRL, depois de dez corridas, tem o neo-zelandês Scott Dixon na liderança com 318 pontos, seguido por Tony Kanaan com 317, Gil de Ferran com 315 e Hélio Castro Neves com 295. O quinto colocado, o sueco Kenny Brack, já está mais distante, com 257 pontos. Em número de vitórias, Scott Dixon soma três e Gil, duas. Em poles, Scott tem quatro e Kanaan, três. "Eu acho que o campeonato está entre os quatro primeiros. Pelo menos são três brasileiros. Acho que um de nós vai ser o campeão", diz Kanaan. Dos quatro primeiros, Tony é o único que corre com motor Honda. Segundo o piloto, a Toyota tem um ano a mais no desenvolvimento de seus motores e conta com mais equipes na categoria e isso está fazendo a diferença. Os Toyota têm mais potência, assegurando à marca o maior número de vitórias. "Trabalhamos muito este ano para reduzir esta vantagem da Toyota. Mas eles ainda estão andando mais. Mesmo assim, como o nosso carro está bem ajustado, conseguimos compensar a diferença", explica o piloto. A Andretti Green tem três pilotos este ano: Tony Kanaan, Dan Wheldon (no lugar de Michael Andretti, que abandonou as pistas) e Bryan Herta (que substituiu Dario Franchitti, em recuperação de um acidente de moto). Embora as características e as regras da IRL dificultem o jogo de equipe, todo o esforço da equipe - e também da Honda - estará concentrado em Kanaan. Depois de enfrentar muitas dificuldades este ano, a Chevy, finalmente, reagiu depois que fechou acordo com a Cosworth para a preparação de seus motores. Em Michigan, o bicampeão Sam Hornish Jr. esteve muito perto da vitória e só foi ultrapassado no final por Alex Barron, piloto que está correndo lugar de Felipe Giaffone na Mo Nunn. O rendimento dos Chevy nas seis corridas finais é uma incógnita, segundo Kanaan: "Para a categoria é ótimo que apareça uma terceira força. Mas não sei como isso poderá afetar a luta pelo título. Os Chevy poderão atrapalhar os planos de qualquer um. Tomara que não atrapalhem os da nossa equipe", avalia. A Andretti Green foi mal nas últimas duas corridas. Em Michigan, a estapa anterior, nenhum piloto da equipe conseguiu concluir o percurso.Para Kanaan, o fato não assusta: "Nós enfrentamos, realmente, uma situação desfavorável nas duas corridas. Analisamos bem e sabemos que não é um caso de queda de produção. São fatos que fazem parte das corridas. O Dixon também já teve momentos difíceis. Nada indica que isso possa continuar". Sobre o título, Kanaan é otimista. "Se for para falar em chances, acho que tenho 70 por cento de possibilidades de ser o campeão. É isso que vou buscar".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.