Alastair Staley/Divulgação
Alastair Staley/Divulgação

Kobayashi detona a Caterham: 'Seria melhor correr com um carro da GP2'

Piloto japonês critica a lentidão do novo modelo e disse será muito difícil pontuar na temporada

25 de fevereiro de 2014 | 17h03

SAKHIR - O japonês Kamui Kobayashi criticou severamente a Caterham ao fim da segunda bateria de testes da pré-temporada, realizada no Bahrein, na última semana. O piloto estava desanimado com o desempenho do carro, que disse ser mais lento que um de GP2, categoria de acesso à Fórmula 1.

"Não estamos em condições de corrida, mas se estivéssemos, penso que seria melhor trazer um carro da GP2", disse o japonês em entrevista publicada pelo site inglês Autosport. Nos quatro dias de bateria, o piloto fez como melhor tempo 1m39.855, quatro décimos de segundo mais lento que o pole-position do GP do Bahrein do ano passado na GP2, o suíço Fabio Leimer.

"O tempo da volta continua mais rápido na GP2. Nós precisamos trabalhar, mas neste momento, se fôssemos correr, penso que não seria Fórmula 1", criticou. "Quando você olha o tempo, tem que se preocupar. Eu não posso estar feliz, mas eu tenho que pensar no que podemos fazer", comentou.

Enquanto as equipes com motor Renault se empenham para melhorar a confiabilidade do carro, Kobayashi busca em fazer da Caterham um carro pouco mais rápido e disse que não trabalha buscando pontuar. "Procuro dar mais potencial à equipe. Isso é a parte mais importante para eu estar aqui. No momento estamos um passo atrás comparado com todas as outras equipes em termos de desenvolvimento", lamentou.

A Caterham está na Fórmula 1 desde 2012 e jamais colocou um carro entre os dez primeiros colocados. Kobayashi estreou em 2009 pela Toyota e nas três temporadas seguintes foi piloto titular da BMW e da Sauber. Na ocasião, chegou a surpreender ao terminar em terceiro lugar o GP do Japão de 2012, em Suzuka. Após ficar sem equipe em 2013, o japonês retorna em 2014 pela Caterham.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.