Olivia Harris / Reuters
Olivia Harris / Reuters

Kvyat colocou muita pressão sobre si mesmo, diz chefe da Toro Rosso

Para Franz Tost, os seguidos acidentes nos quais ele se envolveu acabaram afetando seu rendimento

Estadão Conteúdo

11 de dezembro de 2017 | 17h58

Com chances remotas de seguir na Fórmula 1, o piloto russo Daniil Kvyat perdeu espaço na categoria porque colocou muita pressão sobre si mesmo, afirmou nesta segunda-feira Franz Tost, chefe de equipe da Toro Rosso. O time italiano foi o último a contar com o piloto no grid da F-1.

+ Pirelli define pneus dos GPs da F-1 na Austrália, Bahrein e China

"Muitas vezes ele era muito agressivo nas largadas. A primeira curva era o seu maior ponto fraco. Ele queria muito ser bem-sucedido nos primeiros 100 metros, a qualquer preço! Isso colocava muita pressão sobre ele, pressão desnecessária, e isso nunca funcionava", declarou Tost.

Apesar dos excessos, o chefe da Toro Rosso acredita no talento do piloto russo. "Estou completamente convencido de que Daniil tem uma velocidade natural muito alta. Algumas vezes foi até mais rápido que Daniel Ricciardo, mas de alguma forma ele não conseguiu mostrar o seu potencial no ano passado e neste ano."

Para Tost, os seguidos acidentes nos quais ele se envolveu acabaram afetando seu rendimento nas pistas. "Foram muitos acidentes. Mas, em sua defesa, devo dizer que teve muitos problemas técnicos no carro e isso abala a confiança. Ser a vítima de muitos acidentes acaba com sua performance", comentou.

Rebaixado para a Toro Rosso no ano passado, após ter dificuldades na Red Bull, Kvyat esteve aquém do esperado nesta temporada. Tanto que foi dispensado pela equipe no meio do campeonato. Fora do grid, ele ainda aguarda a definição da Williams para saber se terá espaço na Fórmula 1 em 2018.

O piloto da Rússia é um dos quatro candidatos a assumir a vaga de Felipe Massa na Williams. Os outros são o polonês Robert Kubica, o escocês Paul di Resta e o também russo Sergey Sirotkin.

Tudo o que sabemos sobre:
Daniil KvyatFórmula 1

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.