Lauda e Jordan pedem mudanças na F1

Niki Lauda, diretor da Jaguar, e Eddie Jordan, sócio da Jordan, estão pressionando Bernie Ecclestone, promotor da Fórmula 1, para que modifique o regulamento da competição com o objetivo de torná-la mais atrativa."Não há dúvida de que temos de fazer algo e não ficar acreditando que as pessoas serão sempre fiéis à Fórmula 1", afirmou Niki Lauda. "Pode-se fazer muita coisa pela melhoria do espetáculo."Eddie Jordan afirmou que Ecclestone tem de tomar uma atitude ditatorial: "Ele é o único com autoridade para promover as alterações necessárias." Apesar das pressões, os dois não apresentaram propostas na entrevista publicada nesta quinta-feira pela revista inglesa Autosport.Ecclestone desejava reintroduzir em 2003 as classificações também na sexta-feira. Depois, defendeu restrições na aerodinâmica, eletrônica e, a médio prazo, a monomarca de pneus. As grandes escuderias, hoje maiores responsáveis por essas decisões, não concordaram. Ron Dennis (McLaren), por exemplo, afirmou que o dirigente inglês propôs esse pacote de mudanças como ?nuvem de fumaça?, para evitar de discutir as questões comerciais, tanto postulada pelos times.Luca di Montezemolo, presidente da Ferrari, não esconde a bronca das equipes com Ecclestone: "Não faz sentido nós todos termos de dividir 47% do que geramos e o senhor Ecclestone e seus sócios com 53%." Uma forma de tornar as corridas mais emocionantes seria a Ferrari, a melhor organização da Fórmula 1, não adotar mais a política de ordens de equipe. A sugestão é de Patrick Head, sócio e diretor-técnico da Williams. "Jean Todt (diretor-esportivo da escuderia italiana) acha que sua obrigação é apenas com a Ferrari. Penso que a saúde do automobilismo é mais importante que a da Ferrari", afirmou o dirigente inglês. "Nós temos uma visão diferente do esporte."Na Itália, Todt respondeu hoje mesmo. "Eu respeito o seu trabalho, mas você precisa respeitar o nosso, mesmo não concordando", afirmou o dirigente da Ferrari, referindo-se a Patrick Head. "Nós fazemos o que é melhor para a equipe."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.