Andrej Isakovic / AFP
Andrej Isakovic / AFP

Leclerc festeja pole na Itália e prevê ele e Vettel 'mais rápidos do que em Spa'

Piloto monegasco comemora sensação de largar na frente na 'casa' da Ferrari

Redação, Estadão Conteúdo

07 de setembro de 2019 | 17h47

Em meio à verdadeira bagunça que foi o qualificatório para o GP da Itália de Fórmula 1, realizado neste sábado, havia um sorriso. Era de Charles Leclerc, piloto da Ferrari, que obteve sua quarta pole no ano, a segunda consecutiva, fazendo apostas para uma sequência da temporada pra lá de favorável.

Com um tempo de 1min19s307 no treino deste sábado, o monegasco, vencedor do GP da Bélgica na última semana, já projeta uma evolução para este fim de semana ao lado do alemão Sebastian Vettel, seu companheiro de equipe. "Nas simulações de corrida que completamos, nosso ritmo foi muito bom. Creio que seremos mais rápidos do que em Spa e esperamos fazer uma boa prova amanhã (domingo)", disse o monegasco.

Para o piloto de 21 anos, a largada em primeiro na casa ferrarista tem um sabor especial. "É inacreditável... ver tantas pessoas, é absolutamente incrível. Feliz com a pole. É algo único", declarou Leclerc, quinto colocado no Mundial de Pilotos, com 157 pontos.

O jovem, que estreou no lugar mais alto do pódio na categoria no domingo passado, teve de passar por uma situação constrangedora para garantir a largada em primeiro lugar em Monza neste sábado. Uma bandeira vermelha a poucos minutos do fim, na altura do Q3, fez com que a direção da prova se atrapalhasse com a organização das saídas dos pilotos para a pista, o que acabou evitando que a maioria absoluta conseguisse completar suas últimas voltas - apenas Leclerc e Carlos Sainz Jr abriram a última volta no circuito.

Além da desorganização de quem dirige a prova italiana, Vettel lamentou uma suposta falha de comunicação interna de sua própria equipe a respeito do que havia sido combinado previamente. O alemão deu apoio ao monegasco no Q2, "rebocando-o" para que, com a ajuda do vácuo do carro do alemão, fizesse seu melhor tempo, e esperava que o colega retribuísse o favor na parte final do qualificatório. No fim, com toda a confusão, a ação acabou não acontecendo.

"Estou infeliz. A volta que não tive vácuo era realmente boa. Acho que simplesmente não executamos o que pensávamos fazer hoje (sábado). De qualquer forma, para a equipe, é um bom resultado, então vamos ver o que podemos fazer amanhã (neste domingo)", analisou o tetracampeão mundial após o treino.

A largada do GP da Itália, 14.ª prova da temporada, está marcada para as 10h10 (horário de Brasília) deste domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.