Reprodução
Reprodução

Leclerc sofre com maldição caseira e bate Ferrari histórica de Niki Lauda em Mônaco

Piloto monegasco perde controle do modelo 312B3-74, utilizado pelo tricampeão mundial em 1974, e danifica traseira na curva Rascasse

Redação, Estadão Conteúdo

15 de maio de 2022 | 14h16

O histórico negativo que ronda as exibições do piloto Charles Leclerc no Circuito de Mônaco voltou a se fazer presente neste fim de semana. Durante uma exibição com a Ferrari 312B3-74, usada pelo austríaco Niki Lauda em 1974, o monegasco sofreu uma batida e arranhou a sua performance dentro de casa.

No ano passado, diante de sua torcida, o piloto monegasco voltou a sofrer com essa espécie de “maldição”. Logo depois de obter a pole no GP de Mônaco no ano passado, ele comprometeu o seu desempenho por causa de uma forte batida. O seu histórico em casa não é nada animador: ele completou três provas em Mônaco na F-1 sem conseguir cruzar a linha de chegada. Assim, o seu primeiro encontro do ano com o circuito que tem as ruas do principado como grande atração, teve o mesmo destino dos anos anteriores.

No acidente  deste domingo, Leclerc perdeu o controle do carro na Rascasse e acabou no guard-rail. Apesar da velocidade não ser alta, a asa traseira do carro sofreu danos..O evento fez parte de uma exibição de carros clássicos do esporte para corridas e contou com o modelo histórico usado por Niki Lauda em 1974. Essas apresentações costumam ser programadas para o fim de semana que precede o GP de Mônaco.

A transmissão oficial divulgou o áudio do piloto ferrarista onde ele alegou “ter perdido os freios e ter alegado ainda que o pedal estava duro”. Em seu perfil no Twitter, ele brincou com a situação. “Quando você pensava ter vivido todo o azar do mundo em Mônaco e perde o freio na Rascasse com um dos carros históricos mais icônicos da Fórmula 1”.

Essa foi a segunda vez que o carro usado por Lauda é danificado. No ano passado, Jean Alesi bateu o mesmo bólido após um incidente com Mark Webber.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.