Pablo Morano/Reuters
Pablo Morano/Reuters

Depois de 26 anos nas pistas, lenda Valentino Rossi se despede da MotoGP na etapa de Valência

Corrida foi vencida por Francesco Bagnaia, que dividiu o pódio com Jorge Martín e Jack Miller

Redação, Estadão Conteúdo

14 de novembro de 2021 | 11h51

A temporada da MotoGP terminou neste domingo com a vitória do italiano Francesco Bagnaia, desta vez na etapa de Valência, na Espanha. Mas o dia foi histórico para o mundo da motovelocidade porque selou também a despedida do multicampeão Valentino Rossi das pistas aos 42 anos. Ao fim da corrida, enquanto Bagnaia celebrava no pódio, ao lado do espanhol Jorge Martín e do australiano Jack Miller, todos da Ducati, o multicampeão Rossi, décimo colocado na prova, vivia um dia de homenagens, sendo carregado em meio a gritos na garagem de sua equipe. 

Antes do início da corrida, todos queriam abraçar o lendário piloto italiano. Um dos abraços, inclusive, veio de outra lenda, mas do futebol. Em Valência para ver a disputa, Ronaldo Fenômeno se encontrou com Rossi, que abriu um sorriso e levantou as mãos em celebração ao ver que o craque brasileiro estava ali, conforme mostrou um vídeo divulgado pela organização da MotoGP.

As homenagens a Rossi se estenderam para dentro da pista. O vencedor da prova, Francesco Bagnaia correu usando um capacete com uma das pinturas icônicas que já estamparam os capacetes do italiano de 42 anos. Luca Marini, Franco Morbidelli, Celestino Vietti, Marco Bezzecchi, Stefano Manzi, Andrea Migno, Niccolò Antonelli e Alberto Surra fizeram o mesmo em suas respectivas categorias.

Demais demonstrações de prestígio e reconhecimento foram feitas à Rossi nas redes sociais, todas em tom de agradecimento por uma carreira de 26 anos dedicados à motovelocidade. 

 

Carreira

Nove vezes campeão mundial, o piloto fez história na modalidade com sete títulos na categoria principal da MotoGP somado a conquistas nas categorias 125cc e 250cc. Durante os anos, o "Doutor", como era conhecido, cultivou rivalidades icônicas, a principal delas com Max Biaggi. Mais recentemente, travou duelos importantes com Jorge Lorenzo e Marc Márquez. Somando todas as categorias, foram 432 corridas, 115 vitórias e 235 pódios. 

Campeão pela última vez em 2009, o italiano vinha conseguindo boas colocações finais no ranking mundial, inclusive com três vice-campeonatos entre 2014 e 2016, a inevitável queda de rendimento começou a aparecer com o passar dos anos. Assim, desde 2019, quando ficou em sétimo na temporada, o piloto vinha piorando na classificação geral, com o 15º lugar em 2020 e a 20ª colocação na temporada atual. A decisão de se aposentar foi  anunciada no início de agosto deste ano, no meio da temporada, após o recesso de verão.

A melhor colocação neste ano foi na Áustria, quando terminou em oitavo. Já a última vez que conseguiu terminar entre os três primeiros foi em julho do ano passado, quando ficou em terceiro lugar no GP de Andaluzia, seu 199º pódio da categoria principal. Fãs que gostariam de ver Rossi chegando ao número 200 se mobilizaram nas redes sociais para pedir que os adversários abram caminho para ele, que brincou com a possibilidade.

A corrida

A corrida começou com campeões definidos. O francês Fabio Quartararo, quinto colocado neste domingo, foi o campeão dos pilotos duas etapas atrás, na Emília-Romanha, enquanto a Ducati garantiu o título de construtores na etapa de Algarve, no final de semana passado, após Bagnaia terminar em primeiro. Com isso, ficou mais fácil concentrar as atenções na despedida de Rossi, que fez história na modalidade.

Na pista, Rossi largou em décimo e chegou a ocupar a nona colocação, mas terminou a corrida na mesma posição em que começou. Já Bagnaia largou em segundo lugar e foi jogado para terceiro, ficando atrás de Joan Mir e Jorge Martín. A ultrapassagem sobre Mir não demorou, enquanto a batalha com Martín foi um pouco mais difícil, terminando em uma ultrapassagem na curva 14. 

Mir também foi deixado para trás por Jack Miller, que fechou o pódio 100% da Ducati, com o espanhol da Suzuki terminando em quarto. Quartararo, Zarco, Binder, Bastianini, Aleix Espargaró e Rossi, o homenageado do dia, fecharam o top 10.

Após o final da corrida, rodeado de pessoas, Valentino Rossi subiu na barreira que separa a arquibancada da pista e saudou a torcida por alguns segundos, enquanto era ovacionado. Bandeiras amarelas, com o número 46 estampado, balançavam em vários pontos do Circuito Ricardo Tormo, quando ele retornou para a moto e deu uma volta de despedida, acenando aos presentes e empinando em alguns momentos.

Ao terminar a volta de celebração e despedida, Rossi foi recebido por um corredor de pessoas no boxes, inclusive por integrantes de outras equipes, até encontrar seus parceiros de equipe, em mais uma explosão de gritos e palmas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.