Clemens Bilan/EFE
Clemens Bilan/EFE

Lewis Hamilton afirma que apoia a derrubada de símbolos racistas pelo mundo

Piloto da Mercedes defende protestos nas redes sociais e desafia governos a realizar mudanças

Redação, Estadão Conteúdo

08 de junho de 2020 | 12h10

O piloto Lewis Hamilton aprovou a atitude dos manifestantes anti-racismo que jogaram no rio Avon, neste domingo, a estátua de Edward Colston, em Bristol, na Inglaterra. Colston foi um comerciante de escravos durante o século XVII e ficou muito rico. Sua estátua estava no local desde 1895.

O hexacampeão de Fórmula 1 usou suas redes sociais. "A estátua do mercador de escravos, Edward Colston, sendo derrubada. Nosso país homenageou um homem que vendia escravos africanos. Todas as estátuas de homens racistas que fizeram dinheiro vendendo outros seres humanos deveriam ser derrubadas. Qual a próxima? Eu desafio os governos ao redor do mundo a realizar essas mudanças e a remover pacificamente estes símbolos racistas."

"Edward Colston era um monstro que comprava, vendia e comercializava africanos, seres humanos, e os forçava a escravidão até a morte. Ninguém que fez isso deve ser honrado. Foi e é terrorismo hoje e antes. Ele nunca deveria ter uma estátua. Tenho orgulho dos ativistas e organizadores de Bristol, no Reino Unido, que derrubaram isso. Coloquem todos para baixo. Em toda parte. Eu apoio isso", afirmou Hamilton, único piloto negro da F-1.

Hamilton foi um dos primeiros atletas a opinar sobre a morte de George Floyd, o homem negro morto brutalmente por um policial branco, em Minneapolis, nos Estados Unidos. O piloto insinuou racismo na F-1 e alertou para o incômodo silêncio de seus colegas de profissão, ganhando o apoio de vários na sequência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.