Burhan Ozbilizi/AP - 30/5/2010
Burhan Ozbilizi/AP - 30/5/2010

Lewis Hamilton culpa problemas pessoais por temporada ruim

Ele prometeu trabalhar para evitar 'interferências externas' e tornar tudo o mais 'suave' possível

AE-AP, Agência Estado

27 de dezembro de 2010 | 13h43

LONDRES - Campeão da Fórmula 1 em 2008, o inglês Lewis Hamilton entrou na temporada de 2010 como um dos favoritos ao título, mas acabou o campeonato apenas em quarto lugar, o que ele considerou ter sido um resultado ruim. E a razão disso, segundo o próprio piloto da McLaren, foram os problemas pessoais que enfrentou ao longo do ano.

Em entrevista para a rádio inglesa BBC, nesta segunda-feira, Hamilton deu raro depoimento sobre seus problemas pessoais, admitindo que precisa evitar que eles interfiram na sua performance na pista. Na temporada de 2010, o inglês de 25 anos não teve muito sucesso nessa empreitada, mas promete conseguir no ano que vem.

"Na minha vida pessoal, as coisas não foram suaves e felizes como elas costumavam ser no passado", revelou Hamilton, sem entrar em detalhes sobre os problemas que enfrentou fora das pistas. Ele, no entanto, prometeu trabalhar para evitar "interferências externas" e tornar tudo o mais "suave" possível em 2011.

Apesar de Hamilton não ter revelado, o maior problema pessoal dele em 2010 deve ter sido mesmo no relacionamento com o pai Anthony, que deixou de ser o seu empresário. Além disso, o piloto inglês chegou a romper o longo namoro com a cantora americana Nicole Scherzinger, com quem acabou reatando logo depois.

Diante dos problemas pessoais, Hamilton venceu três das 19 etapas da última temporada e somou 240 pontos, ficando atrás do australiano Mark Webber (Red Bull), do espanhol Fernando Alonso (Ferrari) e do alemão Sebastian Vettel (Red Bull) - este último foi o campeão da Fórmula 1 em 2010, com um total de 256 pontos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.