Max Rossi/Reuters
Max Rossi/Reuters

Lewis Hamilton é punido por cortar curva, e larga em nono no GP de Mônaco

Inglês passou reto na chicane do Porto em sua única volta rápida na última parte do treino

LIVIO ORICCHIO, Agência Estado

28 Maio 2011 | 14h50

MÔNACO - Lewis Hamilton, da McLaren, foi punido neste sábado pelos comissários desportivos do GP de Mônaco, depois do treino que definiu o grid. O jovem inglês cortou a chicane do Porto, na sua volta lançada, depois do acidente de Sérgio Perez, quando registrou 1min15s280, o que lhe daria a sétima colocação.

Como aquela foi a sua única tentativa de marcar tempo e os comissários lhe tiraram a marca obtida, Hamilton ficou sem tempo. Largaria em último dentre os que disputaram a sessão, o chamado Q3, a última parte da classificação. Mas Sérgio Perez participou do treino, embora não tenha marcado tempo, em razão do acidente. Assim, Perez ficaria com o décimo lugar no grid e Hamilton, o nono. Na prática, o inglês da McLaren perdeu duas colocações. O lugar de Perez ficará vago no grid. O mexicano não vai disputar o GP de Mônaco.

Felipe Massa também estava sendo investigado, mas não recebeu nenhuma punição. Vai largar na posição que conquistou na classificação: sexto. No Q2, segunda parte do treino que define o grid, o piloto da Ferrari cortou a mesma chicane de Hamilton numa volta que fez 1min16s061. Mas no mesmo Q2 conseguiu, mais tarde, 1min14s648 numa volta sem irregularidades.

Ao cortar a chicane, Massa não foi beneficiado, como Hamilton, pois seu tempo não foi o que o levou à fase seguinte do treino, o Q3. Já o inglês da McLaren tomou a volta em que cortou a chicane como a sua melhor do Q3.

Hamilton reconheceu o erro. A estratégia era guardar um jogo de pneus supermacios novos para a corrida. "O acidente de Perez me pegou no meio da volta lançada, que deveria ser única. Como a perdi (por causa da interrupção do treino), precisei sair de novo para registrar meu tempo, estava sem tempo, ainda. Mas permaneci alguns minutos parados na saída dos boxes, à espera da liberação da pista, e meus pneus esfriaram. Não tinha a aderência ideal na minha tentativa".

Hamilton estava visivelmente frustrado com o fato de largar em nono, num circuito onde quase não se ultrapassa, tendo, como confirmou Fernando Alonso, da Ferrari, o melhor carro da classificação. Hamilton havia sido o mais rápido nas duas primeiras partes da definição do grid, Q1 e Q2.

Atualizado às 16h58 para correção de informação

Veja também:

link Vettel crava sua quinta pole no ano; Massa larga em sexto em Mônaco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.