Zurab Kurtsikidze/EFE
Zurab Kurtsikidze/EFE

Lewis Hamilton não se impressiona com as três vitórias consecutivas da Ferrari

O inglês entende que a Mercedes ainda pode obter maior rendimento de seus carros para o GP da Rússia

Redação, Estadao Conteudo

26 de setembro de 2019 | 15h48

As três vitórias consecutivas da Ferrari não impressionaram o britânico Lewis Hamilton, da Mercedes. Segundo o líder do Mundial de Fórmula 1, a equipe alemã ainda pode obter maior rendimento de seus carros para o GP da Rússia, neste domingo, no circuito de Sochi, a 16.ª das 21 etapas previstas na temporada de 2019.

"Honestamente, não há motivo para se preocupar. Eu diria que nessas três últimas corridas, provavelmente não extraímos 100% no fim de semana e é para isso que precisamos voltar a conseguir", afirmou o piloto, que soma 296 pontos contra 231 do finlandês Valtteri Bottas, seu companheiro de equipe.

"Naturalmente, não cobro tudo da equipe. Acho que juntos podemos fazer um trabalho melhor", acrescentou o inglês. "Definitivamente, posso ajudar a tirar um pouco mais do carro, posso tentar tirar um pouco mais de mim. Ainda não fiz uma volta perfeita, então, potencialmente, com uma volta mais perfeita na qualificação, posso fazer essa diferença".

Apesar de apostar na melhoria do carro, Hamilton sabe que a Ferrari será mais uma vez forte na etapa russa. "Vimos como as Ferraris são rápidas nas retas nas duas últimas provas. Ficamos presos atrás, não sendo capazes de encostar. Se as Ferraris assumirem a liderança, pode acontecer como foi em Monza. Basta apenas segui-las e quando elas chegam na reta, elas ficam à frente mesmo se você usar o DRS".

Para Hamilton, a chance de a Mercedes diminuir a diferença para a Ferrari é ser mais rápida no treino de classificação. "Mas é claro, continuaremos tentando e pressionando. Acho que a qualificação é o lugar onde perdemos principalmente nas últimas três corridas, e é aí que precisamos tentar melhorar".

Bottas, por sua vez, afirmou que não vai repetir a atitude de Cingapura, quando diminuiu o ritmo a partir da 22.ª volta para ser ultrapassado por Hamilton na 26.ª, deixando o quarto lugar para o companheiro, após orientação da equipe por rádio. "Temos certas regras nos dois sentidos (Hamilton e Bottas), elas são iguais. É assim que funciona, mas precisamos apenas garantir que não voltarei a esse tipo de situação".

Com uma desvantagem de 65 pontos para Hamilton, mas com 156 ainda para serem disputados, Bottas ainda mira a conquista do título e vê os rivais Charles Leclerc, Max Verstappen e Sebastian Vettel se aproximarem na tabela de classificação.

"Ainda há muitos pontos a serem conquistados, por isso, com certeza, preciso continuar atuando e precisamos atuar em equipe para obter esses pontos maiores. Ainda estou focando realmente à frente, focando em objetivos de curto prazo. O próximo é neste fim de semana, tentar vencer a corrida e, no final do ano, veremos", disse Bottas, que estendeu o seu contrato por mais um ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.