Lewis Hamilton pode se tornar imbatível, diz Niki Lauda

Austríaco, ex-tricampeão de Fórmula 1 comparou piloto da McLaren a Ayrton Senna e Michael Schumacher

Alan Baldwin, Reuters

21 de julho de 2008 | 10h06

Lewis Hamilton se tornará imbatível caso continue pilotando como nesse domingo no GP da Alemanha - pelo menos na opinião do ex-tricampeão de Fórmula 1 Niki Lauda. "No ano passado ele era o meu favorito, mas estragou tudo nas duas últimas corridas", disse o austríaco. "Acho que agora ele entendeu o recado, em Silverstone numa corrida difícil e aqui numa corrida difícil para ele. Ele teve um desempenho excepcional. Está no caminho certo e se continuar assim ele será imbatível", completou. Na prova de domingo em Hockenheim, foi como se o inglês tivesse vencido duas corridas: a primeira até o acidente de Timo Glock, da Toyota, com a entrada do safety car na seqüência; a segunda, bem mais difícil, a partir daí. Na primeira metade, ele preservou a pole position, sem dar chances para o brasileiro Felipe Massa, que largava em segundo. A vitória do jovem inglês parecia uma mera formalidade a ser cumprida.Até que veio o safety car, e a McLaren teve de alterar sua estratégia depois de fazer as contas sobre o reabastecimento. Enquanto quase todos entravam nos boxes, Hamilton permanecia na corrida. O que a equipe não previa era que o Safety Car fosse passar tanto tempo na pista. A 16 voltas do final, Hamilton finalmente parou, caindo para a quinta posição. Ele então aproveitou o melhor rendimento do seu carro e fez uma série de ultrapassagens precisas, dignas de um futuro campeão. Jornalistas italianos se lembraram da época em que o aposentado heptacampeão Schumacher dava essas exibições pela Ferrari. Outros, como Lauda, citaram o tricampeão brasileiro Ayrton Senna, ídolo de Hamilton. "Perfeito, excepcional, o tipo de pilotagem do Senna", comparou Lauda, ex-piloto da Ferrari e da McLaren, atualmente comentarista da TV alemã.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Niki LaudaLewis Hamilton

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.