Greg Baker/ AFP
Greg Baker/ AFP

Hamilton vence milésimo GP da F-1 na China e assume a ponta do Mundial

Piloto da Mercedes ultrapassa Bottas logo no começo e chega à 75ª vitória da carreira

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2019 | 05h23

Pentacampeão mundial de Fórmula 1, Lewis Hamilton voltou a fazer história ao vencer neste domingo o GP da China, em Xangai, que foi palco da milésima corrida da categoria máxima do automobilismo. Depois de ultrapassar o finlandês Valtteri Bottas na largada, o inglês foi dominante para conquistar a sua 75ª vitória na F-1 e ainda assumir a liderança do Mundial de Pilotos.

O triunfo fez o britânico alcançar os 68 pontos e ficar seis à frente de Bottas, o seu companheiro de Mercedes, agora segundo colocado do campeonato e que também fechou a prova chinesa na segunda posição. Já o alemão Sebastian Vettel, que completou o pódio pela Ferrari, contabiliza 37 pontos e está atrás também do holandês Max Verstappen, da Red Bull, que soma 39 e obteve o quarto lugar na madrugada deste domingo (no horário de Brasília).

O monegasco Charles Leclerc, quinto colocado com a sua Ferrari, passou a ocupar o mesmo posto no Mundial, com 36 pontos. O mesmo vale para o francês Pierre Gasly, da Red Bull, que fechou o grupo dos seis primeiros na China e é o sexto do campeonato, bem distante do grupo dos cinco primeiros, com 13 pontos. Ele está logo à frente do campeão mundial Kimi Raikkonen, com 12 depois de ter encerrado a corrida asiática na nona posição com a sua Alfa Romeo.

O australiano Daniel Ricciardo, da Renault, e o mexicano Sergio Pérez (Racing Point) ficaram nas respectivas sete e oitava colocações, enquanto o grupo dos dez primeiros foi fechado pelo tailandês Alexander Albon, da Toro Rosso, logo atrás de Raikkonen.

Dominante na Fórmula 1 nos últimos anos, a Mercedes também parece começar a confirmar a sua supremacia, pois já disparou na ponta do Mundial de Construtores, com 130 pontos, enquanto a Ferrari tem 73 em segundo lugar e a Red Bull está em terceiro, com 52.

Essa foi, por sinal, a sexta vitória de Hamilton no GP da China, sendo que pela primeira vez, desde 1992, que uma mesma equipe termina as três provas iniciais de um Mundial de F-1 nas duas primeiras posições. Há 27 anos, Nigel Mansell e Riccardo Patrese obtiveram este feito como pilotos da Williams.

"Como uma equipe, não esperávamos ter essa sequência", admitiu Hamilton após triunfar na China, onde ganhou também a segunda prova seguida após faturar o GP do Bahrein com uma boa dose de sorte, pois Leclerc disparava rumo à bandeirada quando teve problemas com o motor de sua Ferrari na parte final da prova. Naquela ocasião, Bottas também se aproveitou para ultrapassar o monegasco e terminar a corrida em segundo. Antes disso, na abertura do Mundial, o finlandês ganhou o GP da Austrália e o seu parceiro de Mercedes ficou em segundo.

Neste domingo, o vencedor em Xangai acabou sendo definido no início, pois, após largar em segundo, Hamilton ultrapassou Bottas e liderou por 56 voltas até a bandeirada final. "O começo é o que realmente fez a diferença", destacou o britânico, que também evitou exibir euforia ao projetar a próxima prova do calendário, daqui a duas semanas, em Baku, no Azerbaijão.

Embora Vettel tenha terminado mais de 13 segundos atrás dele e Leclerc a mais de 31s, Hamilton ainda vê um cenário de equilíbrio com a Ferrari. "Você pode ver que isso ainda está muito próximo entre todos nós. Não temos ideia de como será a próxima corrida", ressaltou.

E a Ferrari voltou a protagonizar uma polêmica em relação às ordens de equipe ao pedir para Leclerc abrir passagem e ceder o terceiro lugar a Vettel já na 11ª volta na China. Irritado, o monegasco chegou a reclamar pelo rádio do seu carro e depois ainda foi prejudicado por uma estratégia de troca de pneus que o fez perder muito tempo e acabou sendo determinante para que terminasse a prova em quinto lugar, atrás de Verstappen.

E no final das contas, a dupla ferrarista fechou a prova chinesa atrás do holandês da Red Bull na classificação do campeonato. E o Mundial viveu neste domingo a sua histórica milésima corrida depois de a primeira de todas da Fórmula 1 ter ocorrido em 1950, com o italiano Giuseppe Farina, da Alfa Romeo, vencendo em Silverstone, na Inglaterra.

 

Confira a classificação do GP da China:

1) Lewis Hamilton (ING/Mercedes), em 1h32min06s350

2) Valtteri Bottas (FIN/Mercedes), a 6s552

3) Sebastian Vettel (ALE/Ferrari), a 13s744

4) Max Verstappen (HOL/Red Bull), a 27s627

5) Charles Leclerc (MON/Ferrari), a 31s276

6) Pierre Gasly (FRA/Red Bull), a 1min09s307

7) Daniel Ricciardo (AUS/Renault), a uma volta

8) Sergio Pérez (MEX/Racing Point), a uma volta

9) Kimi Raikkonen (FIN/Alfa Romeo), a uma volta

10) Alexander Albon (TAI/Toro Rosso), a uma volta

11) Romain Grosjean (FRA/Haas), a uma volta

12) Lance Stroll (CAN/Racing Point), a uma volta

13) Kevin Magnussen (DIN/Haas), a uma volta

14) Carlos Sainz Jr (ESP/McLaren), a uma volta

15) Antonio Giovinazzi (ITA/Alfa Romeo), a uma volta

16) George Russell (ING/Williams), a duas voltas

17) Robert Kubica (POL/Williams), a duas voltas

18) Lando Norris (ING/McLaren), a 6 voltas


Abandonaram a prova:

19) Daniil Kvyat (RUS/Toro Rosso)

20) Nico Hülkenberg (ALE/Renault)


XANGAI - O britânico Lewis Hamilton, da Mercedes, venceu neste domingo, 14, o Grande Prêmio da China de Fórmula 1, disputado no circuito de Xangai, uma segunda vitória consecutiva que dá ao atual campeão do mundo a liderança do campeonato mundial de pilotos.

Hamilton venceu a 1000ª corrida da história Fórmula 1, cruzando a linha de chegada à frente do companheiro de Mercedes, o finlandês Valtteri Bottas,, que largou da pole position, realizando a terceira dobradinha da escuderia inglesa no mesmo número de provas nesta temporada.


O alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, completou o pódio, seguido do holandês Max Verstappen (Red Bull) e do monegasco Charles Leclerc (Ferrari).

Além de ver a rival Mercedes conquistar mais uma vitória, a Ferrari também viveu uma polêmica em Xangai, após Leclerc ser obrigado a deixar Vettel passar na 11ª volta da prova por ordens da equipe. O monegasco havia ultrapassado o veterano alemão na largada.

Leclerc não escondeu a frustração ao ter que permanecer na pista antes da primeira troca de pneus, perdendo assim o quarto lugar para Verstappen.

Completaram o TOP 10 da prova e, consequentemente,  pontuaram Pierre Gasly (RBR), Daniel Ricciardo (Renault), Sergio Pérez (Racing Point), Kimi Raikkonen (Alfa Romeo) e Alexander Albon (STR).

- Classificação do GP da China de F1:

1. Lewis Hamilton (GBR/Mercedes)

percorreu 305,066 km em 1 h 32:06.350

2. Valtteri Bottas (FIN/Mercedes) a 6.552

3. Sebastian Vettel (ALE/Ferrari) a 13.744

4. Max Verstappen (HOL/Red Bull-Honda) a 27.627

5. Charles Leclerc (MON/Ferrari) a 31.276

6. Pierre Gasly (FRA/Red Bull-Honda) a 1:09.307

7. Daniel Ricciardo (AUS/Renault) a 1 volta

8. Sergio Pérez (MEX/Racing Point-Mercedes) a 1 volta

9. Kimi Räikkönen (FIN/Alfa Romeo Racing-Ferrari) a 1 volta

10. Alexander Albon (THA/Toro Rosso-Honda) a 1 volta

11. Romain Grosjean (FRA/Haas-Ferrari) a 1 volta

12. Lance Stroll (CAN/Racing Point-Mercedes) a 1 volta

13. Kevin Magnussen (DIN/Haas-Ferrari) a 1 volta

14. Carlos Sainz Jr (ESP/McLaren-Renault) a 1 volta

 


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.