JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Líder nos treinos, Lewis Hamilton prevê possibilidade de melhora

Piloto da Mercedes se diz satisfeito por liderança nos treinos e afirma ter sentido mudança de velocidade em Interlagos

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

10 Novembro 2017 | 19h12

O tetracampeão mundial Lewis Hamilton, da Mercedes, ainda não está satisfeito no GP do Brasil de Fórmula 1, mesmo com o título mundial garantido e o recorde de volta mais rápida da história da pista, marcada nesta sexta-feira, em Interlagos. O piloto inglês disse nesta sexta-feira, em entrevista coletiva, que vê possibilidade de melhorar o tempo para sábado, durante o treino classificatório.

+ Ricciardo e dupla de Toro Rosso perdem posições no grid

+ Massa pede mais ação de confederação de automobilismo

"No geral, conseguimos fazer tudo o que precisávamos fazer. Estamos em uma posição decente, mas se pode melhorar", disse. Hamilton fechou o dia como o mais rápido dos dois treinos livres, seguido em ambos pelo companheiro de equipe, Valtteri Bottas. Os dois conseguiram fazer tempos abaixo de 1min10, marca que antes valia o recorde da pista e que havia sido marcado por Nico Rosberg, em 2014.

Hamilton afirmou ter conseguido testar o carro em várias condições e conseguir sentir a pista nas mais de 60 voltas que deu em Interlagos. "Foi um ótimo dia. Fizemos trechos mais longos, de simulação de corrida, e também menores. Uma pena que os pneus não duraram muito", afirmou. "Como os carros estão mais rápidos, a corrida será fisicamente mais exigente, ainda mais pelo calor", comentou.

O inglês foi pole position em Interlagos em duas ocasiões, 2012 e 2016, e desponta novamente como favorito para largar na primeira posição no domingo. No ano pasado, o piloto conquistou pela primeira vez uma vitória no Brasil, ao liderar todo o fim de semana. "É muito legal voltar para a pista agora, com os carros mais rápidos", disse Hamilton em referência às mudanças que aumentaram a velocidade dos modelos.

Mais conteúdo sobre:
Lewis Hamilton Fórmula 1

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.