Livro-bomba denuncia lavagem na F-1

A Fórmula 1, em crise diante da falta de competitividade entre as equipes, sofre mais um duro golpe. Nesta semana, um livro publicado na Suíça, ?O Dinheiro Secreto dos Paraísos Fiscais?, aponta que algumas escuderias, patrocinadores e o próprio Bernie Ecclestone, o todo-poderoso da F1, seriam responsáveis pela lavagem de dinheiro e pela evasão de milhões de dólares. "O esporte é um das grandes vias para a evasão fiscal", afirma um banqueiro entrevistado pelo autor do livro, Sylvan Besson.O livro dedica duas páginas apenas para explicar o complexo esquema montado por Ecclestone nos paraísos fiscais para esconder seu lucro com a F1. segundo o livro, a fortuna de Ecclestone estaria avaliada em US$ 3 bilhões. Para evitar ser taxado, uma das empresas que gerencia a F1, a Petara Holdings, está sediada em Jersey, pequena ilha no Canal da Mancha, conhecida como um dos paraísos ficais mais seguros do mundo.Ecclestone, apesar de ser inglês, tem seu endereço oficial na pequena cidade de Gstaad, na Suíça, onde o segredo bancário é uma lei inquestionável. Mesmo na Suíça, seus ativos estão em nome de um trust e, em 2001, Ecclestone declarou que teria um patrimônio de apenas US$ 500 mil. Outros personalidades da F1, como Michael Schumacher e Jean Alesi, também vivem, pelo menos oficialmente na Suíça.As acusações feitas no livro incluem também as equipes. Entre 1993 e 1996, a Minardi teria escondido cerca de US$ 12 bilhões do fisco italiano. Segundo advogados entrevistados pelo autor do livro, outras equipes, principalmente as de propriedade de famílias, mantém esquemas parecidos. Besson, porém, poupa as grandes equipes, como a Ferrari, das acusações.Esquema - Outro esquema denunciado no livro é a da utilização da F1 para a lavagem de dinheiro de empresas. Em troca de um espaço para o logotipo nos carros, as empresas pagariam fortunas. Apenas uma pequena parte desse dinheiro efetivamente iria para as equipes. O restante seria depositado nas contas dos supostos negociadores dos acordos de patrocínio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.