Alessandro Garofalo/Reuters
Alessandro Garofalo/Reuters

Local da morte de Senna, Ímola pretende voltar ao calendário da Fórmula 1

Autódromo do antigo GP de San Marino não recebe a categoria desde 2006, mas ainda é utilizado pela MotoGP

Redação, O Estado de S. Paulo

13 de setembro de 2019 | 13h36

O presidente do circuito de Ímola, Uberto Selvatico Estense, manifestou nesta semana o interesse de recolocar nos próximos anos o pista e o GP de San Marino no calendário da Fórmula 1. O autódromo Enzo e Dino Ferrari fica perto de Bolonha, na Itália, e recebeu provas da categoria de 1980 até 2006. O local ficou marcado por duas tragédias em 1994, quando durante o fim de semana o austríaco Roland Raztenberger e o brasileiro Ayrton Senna tiveram acidentes fatais.

"O excelente trabalho do presidente da Automóvel Clube da Itália (ACI), Angelo Sticchi Damiani, na manutenção da Fórmula 1 na Itália, pode reabrir a possibilidade, mesmo na nossa pista histórica, de ver os carros vermelhos (da Ferarri) e todo o circo regressar", disse Estense à agência de notícias Ansa. Neste fim de semana o circuito de Ímola recebe a 13ª etapa do Mundial de Moto GP.

Nos últimos dias, outra pista italiana também se mostrou interessada em receber a Fórmula 1. O autódromo de Mugello pretende receber o GP do país a partir de 2025, data escolhida por ser um ano depois do fim do contrato entre a categoria e a atual sede da corrida, Monza. "Nosso primeiro objetivo será renovar o acordo com a MotoGP. Depois de cinco anos, também vamos apresentar uma solicitação para receber a Fórmula 1", disse o diretor do circuito, Paolo Poli.

As ideias de Mugello e Ímola ganham força pelo plano da própria Fórmula 1 de aumentar o número de etapas do calendário. O atual comando da categoria projeta ter até 25 etapas em cada temporada, em vez das 21 atuais. A categoria terá já em 2020 uma etapa estreante, no Vietnã, e deve ter nos anos seguintes um GP na Arábia Saudita.

Fora da Fórmula 1 desde 2006, o circuito de Ímola tem como características as curvas velozes e um traçado modificado em comparação ao usado no fatídico GP de San Marino, em 1994. Já nos meses seguintes à morte de Senna, alguns pontos da pista foram reformados, por medidas de segurança. A curva Tamburello, local da morte do tricampeão, deixou de ser feita em alta velocidade e se tornou um trecho lento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.