Bazuki Muhammad/Reuters
Bazuki Muhammad/Reuters

Lotus ganha vaga da BMW e volta à Fórmula 1 em 2010

Uma das equipes mais tradicionais retorna com investimentos do governo da Malásia e de empresários asiáticos

AE, Agencia Estado

15 de setembro de 2009 | 08h48

PARIS - A Lotus, uma das equipes mais tradicionais da história da Fórmula 1, ganhou o direito de voltar à categoria em 2010. Nesta terça-feira, a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) anunciou que a escuderia inglesa será dona de uma vaga no próximo Mundial, ocupando o lugar da BMW, que não tem planos de seguir no campeonato.

 

Veja também:

linkBMW anuncia venda de equipe na F-1 para banco suíço

linkJornal britânico revela fitas do acidente de Nelsinho

tabela Classificação especial Calendário

especial ESPECIAL: jogue o Desafio dos Pilotos

blog BLOG DO LIVIO - Leia mais sobre a F-1

 

Apesar de carregar o nome Lotus, a equipe que alinhará no grid do GP da Austrália é praticamente nova. A organização tem como principais investidores o governo da Malásia e um grupo de empresários do país asiático. A sede - originalmente em Norfolk, na Inglaterra - deve ser transferida para o autódromo malaio de Sepang.

O chefe da equipe será Tony Fernandes, proprietário da companhia aérea Air Asia. Mike Gascoyne, ex-diretor de Force India, Jordan, Toyota e Renault, deve ser o comandante da área esportiva.

A Lotus disputou o Mundial entre 1958 e 1994, conquistando 79 vitórias e sete títulos de construtores. Entre os grandes pilotos que passaram pela equipe estão os três brasileiros campeões mundiais: Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e Ayrton Senna.

Com a entrada da Lotus, sobe para quatro o número de novas equipes na próxima temporada - Manor, Campos e USF1 também ganharam o direito de entrar na categoria. A BMW, que nesta terça-feira anunciou sua venda para grupo árabe, ficará à espera da abertura de uma nova vaga para retornar ao grid.

A FIA estuda inclusive a possibilidade de aumentar de 26 para 28 o número de carros na Fórmula 1 em 2010. Mas é possível que nem seja preciso aumentar o número de vagas para acomodar a BMW - a Renault, envolvida no escândalo do GP de Cingapura de 2008, pode abandonar ou mesmo ser banida do campeonato.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1LotusBMW

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.