Lotus: Kovalainen substitui Raikkonen nos EUA e Brasil

A Lotus confirmou oficialmente nesta quinta-feira que Heikki Kovalainen será o substituto de Kimi Raikkonen nas duas últimas corridas desta temporada da Fórmula 1. O finlandês irá ocupar o lugar do seu compatriota nos GPs dos Estados Unidos e do Brasil, marcados para os dois próximos finais de semana, depois de a escuderia ter confirmado que o piloto titular, que irá para Ferrari em 2014, terá de ser submetido a uma cirurgia nas costas.

AE, Agência Estado

14 Novembro 2013 | 12h48

Kovalainen acabou sendo confirmado para correr nestas últimas duas provas um dia depois de a empresária de Michael Schumacher, Sabine Kehm, revelar que o ex-piloto alemão recebeu oferta da Lotus para substituir Kimi Raikkonen em Austin e depois em São Paulo. Aposentado, ele recusou a proposta.

Veterano de 109 corridas disputadas na F1, Kovalainen, de 32 anos, guiou anteriormente por Renault e McLaren e vinha desempenhando a função de piloto de testes da Caterham. Ele acumulou 105 pontos em seis temporadas e agora festeja a oportunidade de poder voltar a guiar como piloto titular, posto que ocupou pela última vez no ano passado, com a Caterham.

"É uma oportunidade fantástica me juntar à Lotus para as duas últimas corridas de 2013. Nós já vimos este ano que o E21 é um carro que pode vencer corridas e terminar no pódio, por isso vou estar fazendo de tudo para obter os melhores resultados possíveis. Saltar dentro de um carro tão tarde no ano, quando você não competiu em todas as provas da temporada, será um desafio, mas conheço a equipe de Enstone bem e não tenho preocupações sobre dirigir em alta velocidade", disse Kovalainen.

Eric Boullier, chefe da Lotus, justificou nesta quinta-feira a escolha do substituto de Raikkonen dizendo que Kovalainen foi uma opção que priorizou a experiência do piloto como trunfo na briga para melhorar a posição da equipe no Mundial de Construtores da F1. A escuderia ocupa hoje a quarta posição desta disputa, com 297 pontos, e matematicamente ainda pode alcançar Mercedes e Ferrari, que têm respectivamente 334 e 323. Com 513 pontos, a Red Bull já se sagrou campeã com sobras.

"Foi decidido que a experiência de Heikki poderia trazer para a equipe algo que seria inestimável, pois queremos terminar o ano na melhor posição possível. Devemos agradecer a Tony Fernandes e Caterham pela sua conduta profissional ao permitir que Heikki se junte a nós para as corridas finais desta temporada", destacou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.