Luca di Montezemolo anuncia saída da presidência da Ferrari

Dirigente vinha sendo pressionado por Sergio Marchionne, CEO do grupo Fiat, pelos maus resultados nas pistas e não resistiu

Estadão Conteúdo

10 Setembro 2014 | 09h01

Luca di Montezemolo anunciou nesta quarta-feira que colocará fim à sua trajetória à frente da Ferrari. Presidente da montadora e da equipe de Fórmula 1 por 23 anos, ele decidiu deixar o cargo no dia 13 de outubro, no aniversário de 60 anos da marca nos Estados Unidos, graças aos novos planos da empresa. Durante mais de duas décadas, o italiano foi presença constante e bastante participativa nas decisões da escuderia na principal categoria do automobilismo.

Mas Montezemolo decidiu deixar a presidência antes do início de uma "nova fase" na Ferrari. Ele avaliou que a fusão da Fiat, que detém 90% do controle acionário da marca, com a Chrysler selou o momento certo para que ele saísse da montadora italiana, deixando o comando para o CEO do Grupo FCA (Chrysler Fiat Automobiles), Sergio Marchionne.

"A Ferrari vai ter um importante papel com a entrada do Grupo FCA na próxima bolsa de valores de Wall Street. Isso vai abrir uma nova e diferente fase, que eu sinto que precisa ser liderada pelo CEO do Grupo", comentou Montezemolo em comunicado divulgado nesta quarta-feira pela Ferrari.

Além do novo papel do Grupo FCA na bolsa de valores, os resultados ruins da Ferrari na Fórmula 1 teriam sido determinantes para a saída do italiano. Durante as últimas semanas, Sergio Marchionne chegou a cobrar publicamente o então presidente da marca pelo decepcionante desempenho na categoria.

As declarações aumentaram os rumores sobre a possível saída de Montezemolo, mas ele próprio chegou a dizer no último fim de semana, durante o GP da Itália, que pretendia comandar a Ferrari - tanto a fábrica como a equipe de Fórmula 1 - por pelo menos mais três anos.

Apesar deste desgaste, Montezemolo preferiu exaltar o período que passou no cargo. "Este é o fim de uma era e então eu decidi deixar minha posição de presidente depois de 23 maravilhosos e inesquecíveis anos, além daqueles que passei com Enzo Ferrari nos anos 70. Meus agradecimentos para as mulheres e homens da fábrica, aos escritórios, às pistas de corrida e aos mercados em todo o mundo. Eles foram os arquitetos reais de crescimento espetacular da empresa, suas muitas vitórias inesquecíveis e sua transformação em uma das marcas mais fortes do mundo."

Foi sob o comando de Luca di Montezemolo que a Ferrari viveu aquela que talvez tenha sido sua melhor fase na Fórmula 1, com os cinco títulos consecutivos de Michael Schumacher de 2000 a 2004. Mas a realidade atual da equipe é bem diferente. Enquanto a marca vive momento econômico estável, a escuderia passa por uma de suas maiores crises e atualmente é apenas a quarta colocada no Mundial de Construtores, atrás de Mercedes, Red Bull e Williams.

Sabedor de que este péssimo momento foi fundamental para que a pressão sobre ele ficasse insustentável, Montezemolo fez questão de agradecer aqueles que o apoiaram mesmo durante este período. "Meus pensamentos vão também para aqueles fãs que sempre nos apoiaram com grande entusiasmo, especialmente nos momentos mais difíceis da escuderia", apontou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.