Mark Dadswell/Reuters
Mark Dadswell/Reuters

Mais rápido, Rosberg adota cautela e aposta em duelo com Hamilton

Equipe faz 'dobradinha' nos primeiros treinos livres na Austrália

Estadão Conteúdo

13 Março 2015 | 11h49

A Mercedes confirmou os prognósticos de que começaria a temporada em vantagem em comparação com as outras equipes da Fórmula 1 ao conseguir uma "dobradinha" nos dois primeiros treinos livres do GP da Austrália, nesta sexta-feira. O alemão Nico Rosberg foi o mais rápido deles, superando seu companheiro de equipe, o inglês Lewis Hamilton, e festejou a competitividade do carro, além de ter apostado em uma disputa acirrada neste fim de semana com o atual campeão mundial.

"Foi ótimo estar de volta ao carro nesta pista incrível. Hoje temos a prova de que o nosso carro é rápido novamente e foi um grande começo para a equipe. Eu estava muito feliz com a minha simulação de corrida, mas ainda preciso trabalhar o ritmo em uma volta rápida", afirmou, garantindo que precisa melhorar o seu desempenho para faturar a pole position do GP da Austrália, especialmente por considerar Hamilton o seu principal concorrente.

"Parece mais uma vez que está muito próximo entre Lewis e eu, e ele é um grande piloto, então preciso acertar a melhor configuração para sair em vantagem. Este ano vai ser uma grande batalha novamente contra ele, tenho certeza", completou o piloto alemão.

Batido somente por Rosberg nesta sexta-feira, Hamilton adotou discurso parecido. Ele elogiou o desempenho do carro da Mercedes, especialmente nas simulações de corrida, mas revelou que ainda não se sente completamente "confortável".

"Chegar aqui e ter esse bom ritmo do carro pelo segundo ano consecutivo é uma sensação incrível. Mas, naturalmente, como pilotos, queremos tirar o máximo do carro e chegar a esse limite é complicado. É aí que está o nosso trabalho para realmente tentar descobrir como maximizar a configuração e tirar o máximo proveito do carro", disse Hamilton, que evitou descartar outras equipes como ameaçadas para a Mercedes no GP da Austrália.

"Há um pouco de trabalho para fazer, pois eu não estou 100% confortável com o carro, mas isso é de se esperar no primeiro dia. Hoje pareceu confirmar que temos bom ritmo. Mas ainda há outros carros rápidos e não podemos entrar nas sessões de amanhã pensando que eles não vão estar perto", concluiu o atual campeão mundial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.