Maldonado diz que críticas servem como motivação na Fórmula 1

Maldonado diz que críticas servem como motivação na Fórmula 1

Piloto venezuelano tem sido criticado por seu estilo agressivo

Estadão Conteúdo

12 de agosto de 2015 | 13h41

Alvo constante de críticas desde que entrou na Fórmula 1 em 2011, especialmente por seus vários erros e excesso de agressividade, Pastor Maldonado garante que a situação não o chateia e descarta mudar o seu estilo de pilotagem. "Isso não me incomoda em nada", afirmou o venezuelano em entrevista ao site da revista inglesa Autosport.

"Eu sempre fui fortemente criticado por muitas pessoas, mas é parte do meu trabalho e parte da minha vida. Este é um trabalho muito intenso e eu sempre tento fazer o meu melhor para as pessoas com quem trabalho", completou Maldonado.

Na última prova antes da tradicional pausa da Fórmula 1 durante o verão europeu, o GP da Hungria, o piloto da Lotus recebeu três punições por causa de incidentes em que se envolveu, o que provocou mais comentários críticos. De acordo com ele, porém, as avaliações negativas funcionam como motivação.

"Se você me perguntar o que preferiria, prefiro que as pessoas falam bem sobre mim, o que é normal, mas o que dizem não me afeta. Talvez isso me motive, quem sabe?", afirmou o venezuelano. Desde 2011 na Fórmula 1, Maldonado conseguiu uma vitória, no GP da Espanha de 2012, mas terminou na zona de pontuação em apenas 10 de 86 provas que participou. Para ele, esse desempenho não é decepcionante, pois teve que enfrentar várias dificuldades nessas corridas.

"Todo mundo está sempre à espera de mais. Eu espero ganhar todas as minhas corridas, embora você perceba que é quase impossível, exceto quando eu mostrei que era possível sem o melhor carro na pista. Desde então, tem sido muito difícil de ganhar, o que você tem que aceitar, e tudo que você pode fazer é entregar o seu melhor", concluiu.

Com dois sétimos lugares em 2015, nos GPs do Canadá e da Áustria, Maldonado soma apenas 12 pontos no Mundial de Pilotos, 11 a menos do que o francês Romain Grosjean, seu companheiro de equipe na Lotus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.