Vincent Phoon/AP
Vincent Phoon/AP

Marc Márquez pilota pela 1ª vez após cirurgia e lidera teste da MotoGP

Piloto espanhol se destaca em Sepang, na Malásia, e mostra recuperação após operar ombro esquerdo

Redação, Estadão Conteúdo

06 de fevereiro de 2019 | 14h14

Pentacampeão da MotoGP e vencedor do título na temporada passada, Marc Márquez pilotou pela primeira vez nesta quarta-feira desde quando foi submetido a uma cirurgia no ombro esquerdo, realizada no dia 4 de dezembro. E o piloto espanhol retornou em grande estilo, pois liderou a primeira sessão de testes de 2019 durante a atual pré-temporada da máxima categoria da motovelocidade, em Sepang, na Malásia.

O competidor da equipe Honda cravou o tempo de 1min59s621 na melhor das 29 voltas que percorreu na pista para se garantir na primeira posição. Apesar disso, ele admitiu que ainda tem algumas limitações físicas em meio a esta sua fase final do processo de recuperação da operação.

"Estou muito feliz de voltar a pilotar depois de um longo inverno (europeu), mas eu esperava estar melhor do que estou. Embora para uma ou duas voltas eu esteja bem, eu tive de mudar meu estilo de pilotagem para compensar (as limitações físicas)", revelou Márquez, que comemorou o fato de ter voltado às pistas. "Hoje eu estou muito, muito feliz, porque eu pilotei a moto outra vez", enfatizou.

O espanhol ainda exibiu otimismo ao ser questionado se estará pronto para disputar a corrida que abrirá a temporada de 2019, no Catar, no dia 10 de março. "Eu espero que sim. Eu espero que sim", repetiu.

Neste primeiro teste em Sepang, Márquez deixou para trás os seus compatriotas Álex Rins, da Suzuki, e Maverick Viñales, da Yamaha, que foram os respectivos segundo e terceiro colocados. O também espanhol Tito Rabat, da Ducati, terminou na quarta posição, seguido pelos italianos Danilo Petrucci (também da Ducati) e Valentino Rossi (da Yamaha), nesta ordem.

Em dezembro passado, Márquez foi operado para corrigir um recorrente deslocamento no ombro esquerdo, problema que o incomodou bastante ao longo da temporada de 2018. Depois da cirurgia, o pentacampeão mundial ficou seis semanas em recuperação em casa, na cidade de Cervera, e depois se preparou para retornar às pistas em Sepang, conforme já estava planejado quando ele foi submetido à cirurgia.

Apesar das dores no ombro esquerdo, o espanhol que completará 26 anos no próximo dia 17 venceu nove das 18 provas da temporada passada e faturou o título com três etapas de antecipação. Ele encerrou o Mundial com 321 pontos, 76 à frente do italiano Andrea Dovizioso, vice-campeão pela Ducati.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.