Diego Azubel/EFE
Diego Azubel/EFE

Mark Webber minimiza domínio após liderar treinos na Malásia

Para piloto da Red Bull, ainda é cedo para fazer previsões em fim de semana de corrida

AE, Agência Estado

08 de abril de 2011 | 09h07

O australiano Mark Webber tentou conter a euforia após liderar as duas primeiras sessões de treinos livres para o GP da Malásia. O piloto da Red Bull impôs 1s665 de vantagem para Lewis Hamilton na primeira atividade da sexta-feira e depois ficou apenas 5 milésimos à frente de Jenson Button. Ele exaltou a confiabilidade do RB7, mas minimizou o bom início de fim de semana.

"Nós começamos bem, mas ainda é cedo num fim de semana de corrida. Tivemos algumas boas saída no seco e o carro teve um bom desempenho. Está confiável, o que é sempre um bom bônus. Temos que verificar todos os pneus, incluindo o novo pneu que a Pirelli trouxe para cá. Está muito quente. Precisamos olhar para as informações que tivemos hoje (sexta), mas até aqui tudo está bem para nós", afirmou.

Apesar disso, Webber acredita que terá um desempenho melhor neste fim de semana do que no GP da Austrália, em que terminou apenas na quinta colocação. "O carro é fantástico e eu provavelmente não tirei o máximo dele em Melbourne. Mas esta é uma nova corrida e uma nova chance. Como eu disse no início, eu aprendi muito, há duas semanas e estou bastante confiante de que domingo vai ser diferente. De uma forma positiva", comentou.

Vencedor do GP da Malásia em 2010, Webber evitou apontar qual equipe será a principal concorrente da Red Bull neste fim de semana. "Nós vamos ser muito competitivos aqui, é o meu palpite. Se você olhar para a McLaren, eles não tiveram o melhor desempenho nos testes de inverno e depois saíram forte na primeira corrida. Ferrari também deve ser competitiva. Mercedes e Renault...", disse.

Veja também:

linkMark Webber domina treinos livres de Fórmula 1 na Malásia

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1GP da MalásiaMark Webber

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.