Massa bate novo recorde em Fiorano

Se a imprensa italiana já estava de namoro com Felipe Massa, depois de seus tempos excepcionais nos treinos iniciais com a Ferrari, a admiração pelo piloto cresceu ainda mais a partir desta sexta-feira. O brasileiro abaixou de novo a melhor marca do circuito de Fiorano para o modelo F2002, ao registrar 57s066 durante testes de pneus que o levaram a completar 160 voltas no traçado da equipe.A influente revista italiana Autosprint já havia dedicado seu editorial para afirmar que a Ferrari acertou em cheio ao investir num jovem (21 anos) de "imenso talento" para substituir, no futuro, seus atuais pilotos. Depois, em seguidas reportagens, ela vem destacando a evolução dos tempos de Massa com o F2002. A próxima edição da publicação, que chega às bancas da Itália na terça-feira, deverá mais uma vez colocar o brasileiro nas nuvens. Massa é o típico piloto que a torcida italiana adora: guia muito rápido e está sempre no limite. Ele tem tudo para crescer dentro da Ferrari se evoluir no aspecto técnico, em especial, e ganhar maior maturidade.No dia 21 de fevereiro, Massa fez para os 2.976 metros de Fiorano, na sua primeira experiência com Ferrari, o tempo de 57s751. A Autosprint destaca que o chassi usado, por ser a estréia do brasileiro, não representava o máximo do projeto. Seu motor, por exemplo, não era o de maior potência possível.Até então, Massa havia guiado apenas uma vez nesse traçado, quando foi contratado pela Sauber. Seis dias depois, ele chegou a 57s378, o que correspondeu já ao melhor tempo do F2002 em Fiorano.Nesta sexta-feira, sob temperatura que variou de 8 a 13 graus, bastante propícia para um carro de Fórmula 1 ser rápido, o que não diminui a eficiência de seu trabalho, Massa atingiu 57s066, aproximando-se do recorde absoluto da pista, 56s786, que é de Michael Schumacher com o novo modelo F2003-GA, obtido dia 14 de fevereiro.No ensaio desta sexta-feira, a pista chegou a ser molhada artificialmente para que Massa pudesse experimentar os novos pneus Bridgestone de chuva. O GP da Austrália mostrou que esses pneus são, na realidade, quase os pneus intermediários do ano passado, o que faz supor que nos casos de chuva mais intensa as provas se desenvolverão com o safety car na pista. Os pneus de Melbourne tinham os sulcos bem pouco profundos, permitindo assim reduzido escoamento da água.A partir deste ano Michelin e Bridgestone têm de produzir apenas um único tipo de pneu para asfalto molhado, enquanto que até 2002 podiam oferecer três opções, para muita água no piso, pouca e ainda os intermediários.Os testes com o F2003-GA continuam suspensos depois de Luca Badoer sofrer dois acidentes sérios, sem conseqüências para ele, mas danificando bastante o carro. As duas batidas foram causadas, a própria Ferrari admitiu, por panes estruturais no F2003-GA. As maiores suspeitas estão na quebra do aerofólio dianteiro.Até que Rory Byrne, seu projetista-chefe, reveja todo o projeto, a nova Ferrari fica parada. Sua estréia está prevista, em princípio, para o GP de San Marino, dia 20 de abril, em Ímola.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.