Dani Cardona/Reuters
Dani Cardona/Reuters

Massa confirma exames nos Estados Unidos na sexta-feira

Brasileiro aproveita para agradecer homenagem de Barrichello e diz que torceu 'como um louco' pelo amigo

23 de agosto de 2009 | 17h43

SÃO PAULO - Felipe Massa confirmou neste domingo, através de sua assessoria de imprensa, que viaja para os Estados Unidos, onde se submeterá a consulta com o neurocirurgião Steve Olvey, diretor-médico da CART. "Vou para Miami na sexta-feira e devo ficar por lá de dois a três dias.”

Veja também:

link Barrichello é perfeito e vence o GP da Europa

tabela F-1: classificação do Mundial

especial Confira o calendário da temporada

especial ESPECIAL: jogue o Desafio dos Pilotos

forum BLOG DO LIVIO - Leia mais sobre a F-1

O brasileiro da Ferrari, que se recupera de um acidente sofrido durante a classificação para o GP da Hungria, dia 25 de agosto, aproveitou para agradecer a homenagem feita por Rubens Barrichello, que correu o GP da Europa deste domingo com o desenho do capacete de Massa pintado em seu casco. "Confesso que me emocionei ao ver a homenagem que ele fez a mim na pintura do capacete”, disse.

Massa assistiu à corrida em sua casa em São Paulo, torceu 'como um louco' por Barrichello na companhia da mulher Raffaela e reconheceu a estranha sensação de estar distante dos acontecimentos na pista. "A última vez que vi uma corrida pela TV foi o GP do Japão de 2003. Naquele ano, como era piloto de testes da Ferrari, não fui à etapa que fechou o calendário”, lembrou. Curiosamente, Barrichello também venceu aquela corrida, que também garantiu o sexto título a Michael Schumacher.

Sobre a Ferrari, Massa disse que a equipe fez uma prova dentro do padrão das últimas três ou quatro etapas. "Falei por telefone com o [diretor esportivo] Stefano Domenicali e o [presidente] Luca di Montezemolo. Continuamos sofrendo um pouco nos treinos classificatórios, ainda com dificuldades para entrar na terceira parte. Mas o ritmo nas provas é sempre melhor. O Kimi [Raikkonen] fez uma ótima prova. Claro que ele não tinha a mesma velocidade do Rubinho e do Hamilton, mas pelo menos conseguiu se manter à frente do Heikki Kovalainen e subir ao pódio.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.