Aly Song/Reuters
Aly Song/Reuters

Massa culpa manobra de Alonso por nono lugar

Brasileiro diz que 'irá conversar com a equipe' sobre a ultrapassagem

AE, Agência Estado

18 de abril de 2010 | 09h54

O brasileiro Felipe Massa fez o possível para minimizar a polêmica ultrapassagem que o companheiro de equipe Fernando Alonso fez sobre ele neste domingo, no GP da China, mas não conseguiu fugir de atribuir ao espanhol a sua parcela de culpa pelo nono lugar ao final da corrida. Depois da prova em Xangai, o piloto da Ferrari comentou a disputa na entrada dos boxes.

Veja também:

link Jenson Button vence na China e assume a liderança do Mundial de F-1

"Por causa da manobra do Alonso, eu acabei numa poça d''água e quase perdi o controle do carro", reclamou. "Perdi algumas posições por causa disso, já que tive que esperar pela parada dele", continuou Massa. Antes líder do Mundial, o brasileiro caiu para a sexta posição na classificação, ficando a 19 pontos do inglês Jenson Button, primeiro colocado com a vitória na China.

Procurando não acirrar a rivalidade interna na Ferrari, Massa explicou a manobra de Alonso. "Eu saí um pouco mal do cotovelo, meu carro patinou um pouco, ele pôs do lado de dentro e a gente veio junto até a entrada do boxe. Quando o vi, notei que poderia criar um acidente e aquilo não era a ideia, pensando na equipe", disse o piloto, em entrevista após a corrida, garantindo depois que "está tudo bem".

"Esperto tem de ficar sempre. Claro que vou falar com ele; a gente trabalha junto e fala do trabalho em geral", continuou Massa, que considerou negativo o resultado geral da prova.

"Foi uma corrida muito complicada e eu claramente não estou feliz com o resultado. É claro que dois pontos é melhor do que nada, mas nas próximas corridas nós temos que fazer melhor e isso significa trabalhar no desenvolvimento do carro", pediu Massa, que espera melhor sorte no GP da Espanha, quinta etapa da temporada, a ser disputada no dia 9 de maio.

Atualizada às 12h57 para acréscimo de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.