Massa e Zonta mostram otimismo

Ricardo Zonta, da Toyota, e Felipe Massa, da Sauber, acreditam que, se não houver contratempos, poderão ficar entre os dez primeiros no grid de largada do GP Brasil de Fórmula 1.Massa era o mais otimista nesta sexta-feira. Mesmo porque, ele foi o oitavo melhor na pista e o seu companheiro de equipe, o italiano Giancarlo Fisichella, ficou em 17º lugar. Depois de ter tido dificuldades para ajustar o carro nos treinos livres da manhã, com a pista muito suja, as coisas melhoraram à tarde. "Consegui acertar no segundo treino e fiquei bastante satisfeito", disse o piloto brasileiro. "Pelo que fiz acho que dará para fazer uma grande corrida domingo e talvez marcar uns pontinhos."Este é o segundo GP de Massa no Brasil. Em sua estréia, em 2002, ele não foi bem-sucedido: bateu e teve de abandonar a prova. Mas o incidente ficou para trás. "Estou confiante para fazer uma boa prova.Todo piloto brasileiro sonha em correr em Interlagos, o que me dá mais motivação. O papel da família e o calor humano do torcedor brasileiro também ajudam bastante." Zonta não se abalou com as duas rodadas que deu durante os treinos desta sexta-feira. "O carro tocou em algumas partes sujas da pista e não voltava mais, mas isso não deve acontecer quando ela estiver mais emborrachada", justificou.Segundo o piloto brasileiro da Toyota, o que aconteceu foi resultado da busca por melhores pontos de passagem que ajudem a diminuir o tempo e não por problemas do carro. Ele, no entanto, reclamou bastante da pista. "As ondulações na reta dos boxes está atrapalhando muito, pega no assoalho", afirmou Zonta.Se não bastassem os problemas com a pista, Zonta estava com 38 graus de febre. Ele terminou o treino na 14ª posição e torce para que não chova no domingo. "Para nossa equipe, é melhor a pista seca", contou. Esta é a terceira corrida em Interlagos pela Fórmula 1 na carreira de Zonta. E está otimista. Segundo ele, o jejum de 10 anos dos brasileiros sem pontuar no GP Brasil vai acabar no domingo. "O Rubinho vai ganhar. Eu e Massa vamos pontuar", garantiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.