Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Paul Crock/AFP
Paul Crock/AFP

Massa lamenta problema no carro e cobra recuperação para sábado

GP da Austrália acontece neste domingo

O Estado de S.Paulo

24 de março de 2017 | 14h22

O brasileiro Felipe Massa não escondeu a decepção com o desempenho de sua Williams no treino livre desta sexta-feira para o GP da Austrália, que acontecerá no domingo. Depois de ser o sétimo na primeira sessão no circuito em Melbourne, o piloto sofreu com problemas elétricos e terminou somente na 14.ª colocação à tarde.

"Não foi realmente o grande dia que estávamos esperando e, infelizmente, não pudemos terminar a segunda sessão. A pista estava um pouco suja e, então, tivemos este problema no carro. Eu fui para uma zona neutra e não consegui mais alcançar nenhuma marcha, o que significou que eu perdi a oportunidade de testar os pneus ultramacios e de fazer longas sequências", lamentou.

Massa alcançou a marca de 1min26s142 na primeira sessão, enquanto na segunda teve 1min26s331 como melhor resultado. O que mais preocupou o piloto, no entanto, foi o fato de ter completado apenas seis voltas à tarde. Isto impediu que ele testasse novas situações com o carro e diminuiu as opções para o treino de classificação deste sábado.

Apesar da decepção nesta sexta-feira, Massa manteve-se otimista para o fim de semana. Na primeira corrida da temporada, ele acredita que a Williams possa conseguir um bom resultado, mas para isso admite que será necessário evoluir rapidamente. "É uma pena que depois de termos completado milhares de quilômetros no testes em Barcelona, nós tivemos este problema aqui. Mas eu não acho que seja nada sério, o que é positivo. Nós precisamos concentrar 100% amanhã e realmente espero que tudo possa acontecer da melhor maneira", projetou.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Velocidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.