Andrej Isakovic/AFP
Andrej Isakovic/AFP

Massa lamenta problema que o tirou de GP após vislumbrar pódio: 'Superchateado'

Brasileiro estava na terceira colocação quando o carro apresentou falhas que o fizeram abandonar a prova

Estadão Conteúdo

25 de junho de 2017 | 19h22

O brasileiro Felipe Massa demonstrou frustração por abandonar o GP do Azerbaijão, no circuito de Baku, capital do país, quando fazia uma excelente prova e tinha condições de subir ao pódio. O piloto da Williams teve problemas quando estava na terceira colocação, então bem próximo do líder Lewis Hamilton e do segundo colocado, Sebastian Vettel.

"Tive um problema no carro. Quando relarguei, o carro já estava com esse problema na suspensão. Alguma coisa quebrou, o amortecedor, não sei. Ele começou a balançar, chacoalhar, sacudir e não tinha o que fazer, não tinha como fazer as curvas. É uma pena porque a corrida estava sendo espetacular, eu estava fazendo tudo da maneira perfeita. Tô superchateado porque a corrida estava sendo perfeita. Tudo estava em um caminho perfeito para, quem sabe, ter um pódio", lamentou Massa em entrevista à TV Globo.

O brasileiro conseguiu ter uma boa largada e se livrou de todas as confusões que marcaram a prova. O grande número de batidas e quebras gerou muitos detritos no asfalto e, consequentemente, várias bandeiras amarelas, com a presença do safety car na pista.

Caso não tivesse sido prejudicado pela quebra do carro, Massa poderia ter se beneficiado pelo incidente entre Hamilton, da Mercedes, e Vettel, da Ferrari. O britânico freou antes de uma relargada e o alemão, irritado por não conseguir parar e bater na traseira do rival, emparelhou com Hamilton e jogou o carro em cima da Mercedes.

Sebastian Vettel acabou punido com um drive through (parada nos boxes) de 10 segundos e terminou a prova em quarto lugar. Já Lewis Hamilton também teve problemas e fechou a corrida em quinto, atrás do piloto da Ferrari.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.