Reprodução
Reprodução

Massa revela que falha em asa traseira provocou acidente

Piloto chegou a rodar em Xangai, mas não se chocou contra o muro

Estadão Conteúdo

10 de abril de 2015 | 10h21

Apenas o 17º colocado do segundo treino livre do GP da China de Fórmula 1, Felipe Massa lamentou o fato de que acabou sendo prejudicado por uma falha na asa traseira da sua Williams que foi determinante para o acidente no qual rodou e bateu com o seu carro. Com apenas sete voltas completadas nesta segunda sessão, o brasileiro se viu obrigado a abandonar as atividades de pista antes do esperado em Xangai.

"O primeiro treino correu como planejado, mas nesta tarde tivemos alguns problemas com a asa traseira. Sob frenagem, perdi toda a aderência dos pneus traseiros e com isso o carro rodou, o que me deixou fora do resto da sessão", lamentou Massa, que depois lembrou que a Williams se precaveu para que o mesmo problema não ocorresse com Valtteri Bottas, seu companheiro de equipe.

"Perdemos muito tempo, mas a equipe fez as mudanças na asa traseira de Valtteri para o mesmo não acontecer com ele", acrescentou o piloto, enfatizando que agora a Williams precisará de um "dia forte" de treinos neste sábado para chegar ao domingo em melhores condições de brigar para realizar uma boa corrida nesta terceira etapa do Mundial de F-1.

O problema ocorrido com o carro de Massa, por sua vez, foi confirmado pelo chefe de engenharia da Williams, Rob Smedley, que ao mesmo tempo enfatizou que a falha foi "fácil de corrigir" e fez com que a equipe depois enviasse Bottas para pista sem temor de que o finlandês pudesse se acidentar por causa da asa traseira.

"Os dados e as sensações dos pilotos em relação aos novos componentes que instalamos no carro parecem positivos, mas teremos muito trabalho a fazer para ver onde estamos em comparação com nossos rivais no treino de classificação e na corrida", destacou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.