Massa sonha com calor e se surpreende com Hamilton

O quinto lugar no grid de largada para o GP da Alemanha de Fórmula 1, que será realizado neste domingo, não deixou nada satisfeito o brasileiro Felipe Massa. O piloto da Ferrari, que mais uma vez ficou atrás de seu companheiro de equipe - o espanhol Fernando Alonso, o quarto colocado -, reclamou do frio que faz em Nurburgring e disse brincando neste sábado que até sonhou com mais calor na hora da corrida.

AE, Agência Estado

23 de julho de 2011 | 18h24

Massa explicou que a dificuldade de encontrar o melhor rendimento com os pneus médios fizeram com que ele usasse os macios já na primeira parte do treino de classificação. "Amanhã (domingo) buscamos dar o nosso habitual passo à frente na corrida, mas sabemos que não vai ser fácil. Claro, se estivesse dez graus mais quente, eu não reclamaria. Tivemos um pouco de dificuldade especialmente com o pneu médio. Foi por isso que usamos o primeiro jogo de pneus macios logo no Q1", disse.

O piloto brasileiro se mostrou surpreso com o desempenho do inglês Lewis Hamilton, da McLaren, que conseguiu a segunda posição. "Não posso ficar completamente feliz com esta classificação porque alguns carros foram mais rápidos do que os nossos. Isso pode não ser surpreendente no caso das Red Bull, mas, definitivamente, é em relação à McLaren de Hamilton", afirmou.

Já Alonso não se surpreendeu com o que aconteceu no treino deste sábado, nem mesmo com a sua colocação no grid de largada. "Nós não estamos nem surpresos, nem decepcionados, muito pelo contrário, na verdade. Este grid é mais ou menos o que nós poderíamos esperar a partir do que tínhamos visto nos treinos livres de ontem (sexta). Nós já pensávamos que as Red Bulls seriam 0s3 ou 0s4 mais rápidas do que nós, e foi o caso, e que Hamilton iria muito bem, especialmente no primeiro setor", comentou o espanhol.

O atual vice-líder da classificação geral revelou que está torcendo por pista seca na hora da corrida. "Se o tempo ficar seco, então podemos afirmar que temos uma chance de 25% de ganhar. Se chover, um pouco menos. Mas só porque, até agora, os outros têm sido melhores do que nós no molhado. Talvez amanhã (domingo) a situação pode mudar, nunca se sabe", disse o bicampeão mundial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.