Maurício Gugelmin é pole em Cleveland

Maurício Gugelmin e Adrian Fernandez na primeira fila, Max Wilson e Bryan Herta na segunda, Memo Gidley e Tony Kanaan na terceira. Com toda a certeza, nenhum desses pilotos sonhou que largaria numa posição tão boa no GP de Cleveland, que será disputado amanhã, às 14h (de Brasília), com transmissão ao vivo da Record e da DirecTV. Esse grid, que chega a ser surreal, deu a Gugelmin a quarta pole position de sua carreira. Acontece que a tomada de tempos, realizada hoje, é dividida em dois grupos nos circuitos mistos. Primeiro, entram na pista os pilotos com pior pontuação no campeonato. E depois, os mais bem colocados, que teoricamente têm vantagem porque a pista está mais emborrachada e, conseqüentemente, mais aderente. Mas quando chove exatamente nos 15 minutos que separam uma sessão da outra, muda tudo. Tony Kanaan tinha saído havia pouco de seu carro e dava uma entrevista na qual se dizia exausto de tanto lutar contra o carro, que mais uma vez não apresentava bom rendimento, e que não seria possível fazer mais nada enquanto não tivesse uma condição melhor. Eis que começaram a cair as primeiras gotas. Ele virou as palmas das mãos para cima e sorriu esperançoso. O céu esteve nublado durante a primeira sessão, mas a chuva poupou os pilotos do pelotão de trás. Poupou, por exemplo, Max Wilson, que corre numa das equipes mais fracas e, depois de não marcar nenhum ponto nas seis primeiras corridas, vive um bom momento: foi o quarto em Portland, domingo passado, e agora vai largar na segunda fila. Com pista seca, vai ser muito difícil ele manter esta posição. Mas se chover (e é bem capaz), pode ser outro domingo surpreendente. Quando a chuva apertou e ficou claro que não seria possível melhorar os tempos, Cristiano da Matta, já fora do carro, reclamou do sistema do qualifying. Mas Adrian Fernandez, que no ano passado foi vice-campeão e vem tendo uma temporada difícil, com sua recém-inaugurada própria equipe, não acha nem um pouco injusto: "Estou feliz que isso tenha acontecido." Segundo ele, o que é injusto é ter de disputar posição no primeiro grupo. O grid - 1) Maurício Gugelmin (PacWest), 57s356; 2) Adrian Fernandez (Fernandez), 57s517; 3) Max Wilson (Blair), 57s892; 4) Bryan Herta (Zakspeed), 57s904; 5) Memo Gidley (Chip Ganassi), 57s916; 6) Tony Kanaan (Mo Nunn), 57s936; 7) Alex Tagliani (Player´s), 57s942; 8) Toranosuke Takagi (Walker), 58s227; 9) Patrick Carpentier (Player´s), 58s230; 10) Shinji Nakano (Fernandez), 58s237; 11) Michel Jourdain Jr. (Bettenhausen), 58s424; 12) Oriol Servia (Sigma), 58s430; 15) Christian Fittipaldi (Newman Haas), 1min00s516; 16) Bruno Junqueira (Chip Ganassi), 1min01s826; 19) Cristiano da Matta (Newman Haas), 1min02s093; 20) Gil de Ferran (Penske), 1min02s625; 23) Hélio Castro Neves (Penske), 1min04s155; 25) Roberto Moreno (Patrick), 1min06s963.

Agencia Estado,

30 de junho de 2001 | 17h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.