Sebastão Moreira/Efe
Sebastão Moreira/Efe

Max Verstappen admite ter trocado pneus só para marcar recorde

Holandês toma decisão nas voltas finais para voltar a acelerar e fazer a volta mais rápida da história de uma prova em Interlagos

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

12 Novembro 2017 | 18h33

O holandês Max Verstappen, da Red Bull, contou neste domingo ter tomado uma decisão incomum para poder marcar a volta mais rápida da história do GP do Brasil de Fórmula 1. O piloto estava confortável na quinta posição e já no fim da corrida, quis colocar pneus novos apenas para voltar a acelerar e conseguir o tempo de 1min11s044, que bateu a antiga marca de Juan Pablo Montoya, em 2004.

+ Em adeus, Massa valoriza sétimo lugar

+ Doria torce para Interlagos ficar mais dez anos na Fórmula 1

Verstappen estava longe de ser ameaçado pelo sexto colocado, o companheiro de equipe Daniel Ricciardo, e com muita distância para o quarto lugar, Lewis Hamilton, quando avisou a equipe pelo rádio sobre a vontade de trocar pneus. "Eu não queria dirigir as dez ou 15 voltas com pneus gastos. Então, como não ia perder de posição, fizemos uma outra parada. Depois dela, eu acelerei para fazer a volta mais rápida", contou.

O piloto da Red Bull venceu duas das últimas cinco etapas e fez questão de acelerar para marcar a volta mais rápida por ter sentido falta de obter a marca na corrida anterior, vencida por ele. "Eu não consegui esse objetivo no México, mas estou muito feliz de conseguir aqui no Brasil", disse o holandês, destaque no GP do Brasil de 2016 por fazer 11 ultrapassagens nas voltas finais e chegar ao pódio.

A quinta colocação propiciou a Verstappen a sensação de dever cumprido. "Essa pista não é boa para o nosso carro e junto com nosso problema de potência nas retas, fica difícil para nós. Eu até esperava por mais, porém era uma situação difícil e conseguimos melhorar bastante nosso resultado", afirmou.  

O colega de Red Bull, Ricciardo, também terminou a prova satisfeito, pois saiu da 14ª posição para chegar em sexto, mesmo depois de ter se envolvido em um acidente na largada. "O resultado foi bom. Ver a bandeira quadriculada foi agradável e eu sinto que conseguimos o máximo possível na corrida", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.