Divulgação
Divulgação

McLaren abre hipótese de 'direção pesada' no acidente de Alonso

Piloto teria se lembrado do detalhe em reunião com engenheiros

O Estado de S. Paulo

24 Março 2015 | 09h52

A investigação do misterioso acidente envolvendo Fernando Alonso no dia 22 de fevereiro, quando participava da pré-temporada da Fórmula 1 em Barcelona, pode ganhar novos capítulos. A equipe do bicampeão mundial, a McLaren, admitiu pela primeira vez que o carro possa ter falhado no momento da batida. De acordo com o comunicado desta segunda-feira que confirma o piloto no GP da Malásia, Alonso teria se recordado de uma sensação de 'direção pesada' durante reuniões para apurar o caso.

"Enquanto nada foi evidenciado nos testes de telemetria do carro, nem nada de anormal nas reconstruções e testes laboratoriais, Fernando recorda de uma sensação de 'direção pesada' antes do acidente. Consequentemente, a equipe implantou um sensor adicional no carro, para aumentar nossa captura de dados", diz o comunicado da escuderia em seu site oficial. Nos dias que sucederam o acidente, a equipe negou qualquer hipótese de problema com o carro, atribuindo o ocorrido ao forte vento.

Alonso teria se lembrado do fato em reuniões com engenheiros na sede da equipe, em Woking, na Inglaterra, que visavam analizar os dados do acidente. Este relatório é compartilhado com a Federação Internacional de Automobilismo (FIA). Segundo a versão de Sebastian Vettel, da Ferrari, que vinha logo atrás do espanhol no momento do acidente, Alonso não teria esboçado reação contra o impacto, também abrindo espaço para a possibilidade do bicampeão ter perdido a consciência antes da batida. O piloto da Mercedes não se lembra com clareza dos momentos que precederam o choque contra o muro.

O ocorrido tirou Alonso da etapa de estreia da Fórmula 1, em Melbourne, na Austrália, sendo substituído por Kevin Magnussen na ocasião, para prevenir uma Síndrome do Segundo Impacto em caso de outra batida. A imprensa espanhola chegou a especular que seria o fim da linha para o piloto na Fórmula 1. Alonso se irritou com os boatos, replicou nas redes sociais e até ironizou os rumores de que teria perdido vinte anos de memória quando acordou no Hospital Geral de Barcelona.

No mesmo comunicado em que abre a possibilidade da falha no volante, a McLaren confirma o retorno de Alonso ao grid no Grande Prêmio da Malásia, neste fim de semana, após testes médicos realizados pela FIA "Fernando está muito ansioso para voltar para o carro e fazer uma contribuição substancial para os nossos esforços coletivos com Honda e para acelerar a melhoria necessária para o nosso desempenho na pista", conclui a escuderia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.