McLaren anuncia fim de acordo e Magnussen deixará de ser piloto reserva da equipe

A McLaren confirmou nesta sexta-feira que Kevin Magnussen não seguirá mais na equipe após o fim desta temporada de Fórmula 1 e assim deixará de ocupar o posto de piloto reserva. O dinamarquês vem desempenhando a função depois de ter sido titular da escuderia inglesa como companheiro do inglês Jenson Button e agora irá buscar novos desafios para a sua carreira.

Estadão Conteúdo

16 de outubro de 2015 | 12h41

O piloto de 23 anos de idade chegou a subir ao pódio em sua estreia pela McLaren, no GP da Austrália de 2014, mas acabou perdendo a condição de titular do time de Woking após a contratação do espanhol Fernando Alonso, que deixou a Ferrari depois do final da última temporada.

Magnussen perdeu seu posto como titular na esteira da parceria história que a Honda passou a reeditar com a McLaren a partir de 2015, ano no qual a equipe está amargando um campeonato muito ruim e bem diferente dos tempos em que a montadora japonesa forneceu motores para o time nos anos de domínio imposto por Ayrton Senna e Alain Prost, entre o final da década de 1980 e início da de 1990.

O adeus de Magnussen à McLaren também ocorrerá depois de Button ter encerrado os rumores de uma possível aposentadoria na F1 e renovado o seu contrato para a próxima temporada. Alonso, por sua vez, negou antes do último GP do Japão que exista a possibilidade de sair da equipe após o término do campeonato deste ano, assim como prometeu ficar até o final de 2017, quando encerra o seu contrato.

Assim, Magnussen não vê mais motivação para seguir na McLaren para 2016, fato que foi comentado pelo presidente e CEO da equipe, Ron Dennis, em comunicado divulgado nesta sexta pelo time inglês. "Não temos espaço para ele na McLaren como piloto no ano que vem, mas não há vergonha em ser preterido por dois campeões mundiais. Desejamos tudo de bom a Kevin. Vamos fazer tudo que pudermos para ajudá-lo a embarcar com sucesso no próximo capítulo de sua carreira no esporte", ressaltou.

O dirigente ainda enfatizou que Kevin sempre desempenhou um trabalho "muito impressionante e profissional para McLaren em cinco anos desde que se juntou ao Programa de Jovens Pilotos da equipe em 2010".

Ainda sem um destino definido para a continuidade da sua carreira no automobilismo, Magnussen deixará a McLaren com 55 pontos somados ao total como piloto. Com essa pontuação, ele terminou o Mundial do ano passado na 11ª posição.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1McLarenKevin Magnussen

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.