McLaren confia em evolução com ajustes na asa móvel

Depois de um início irregular, pelo qual recebeu críticas dos seus próprios dirigentes, a McLaren já dá mostras de que pode brigar pelo título do Mundial de Fórmula 1 deste ano. A equipe venceu três das últimas cinco etapas e aparece como adversária a ser batida no GP da Bélgica, no domingo, em Spa-Francorchamps. No que depender da evolução do carro da McLaren, no entanto, a tarefa das outras escuderias não será fácil.

AE, Agência Estado

24 de agosto de 2011 | 11h11

"Agora que estamos em uma situação na qual acreditamos estarmos mais competitivos, podemos dedicar mais tempo ao sistema de asa móvel e a expectativa é de que ele nos torne ainda mais competitivos nas próximas corridas", declarou o diretor da McLaren, Jonathan Neale, mostrando confiança no desenvolvimento do carro.

Com a evolução nas últimas provas, a equipe aparece como principal candidata a atrapalhar os planos da Red Bull, que lidera o campeonato com o alemão Sebastian Vettel (234 pontos). Para entrar de vez na briga pelo título, a McLaren espera que os novos ajustes na asa móvel possibilitem um melhor desempenho nos treinos classificatórios.

"Nos treinos classificatórios estávamos indo mal e não estávamos conseguindo colocar nossos carros em bons lugares no grid. Fico feliz que a tendência seja de evolução, já que estamos chegando perto e desenvolvendo uma melhor produção", afirmou Neale, lembrando que a Red Bull, principalmente com Vettel, tem dominado o grid de largada.

Apesar da ascensão nas últimas etapas, os pilotos da McLaren ainda estão longe de Vettel na classificação do campeonato. O inglês Lewis Hamilton é o terceiro colocado (146 pontos), atrás ainda do australiano Mark Webber (Red Bull), enquanto o também inglês Jenson Button está em quinto lugar (134 pontos), atrás também do espanhol Fernando Alonso (Ferrari).

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1GP da BélgicaMcLaren

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.