McLaren e Sauber, as decepções

Enquanto Renault e Toyota se apresentam como as equipes de maior ascensão no início do campeonato, a McLaren, em todas as provas, e a Sauber neste domingo estão decepcionando. David Coulthard disse "não ser fácil" classificar-se em terceiro, a um minuto de Michael Schumacher, Ferrari, e Ralf Schumacher, Williams. "Só pude realmente impor meu ritmo depois de ultrapassar Jenson Button, em seguida a um erro dele, e Jarno Trulli, no pit stop", disse o escocês. Sua melhor volta, 1min16s670, foi, no entanto, apenas a sétima da prova, atrás das marcas dos pilotos da Williams, Ferrari e Renault. Montoya registrou a melhor, 1min16s079, na 60.ª passagem. Como sempre, Ron Dennis, sócio e diretor geral da McLaren, assistiu à outra corrida, ao afirmar, como Coulthard, que o ritmo de seus pilotos era o mesmo dos líderes depois de eles superarem os da Renault. No campeonato do ano passado, a McLaren somou 102 pontos e foi vice-campeã, diante de 179 da Ferrari. A situação agora da equipe que deu a Ayrton Senna três títulos é de lutar para permanecer em quarto, já que somou apenas 8 pontos e a Renault, quarta, tem 6. "Temos um longo e duro trabalho pela frente", definiu a situação Coulthard. Seu companheiro, Kimi Raikkonen, abandonou a três voltas do fim por causa da quebra da roda traseira direita, quando era quarto. Se a McLaren-Mercedes não reagir na fase européia do campeonato, a partir do dia 14, em Ímola, uma grave crise, de consequências imprevisíveis, irá se instalar na escuderia. Depois dos resultados dos testes da pré-temporada, a escuderia Sauber sugeriu que não seria tão difícil manter o quarto lugar entre os construtores, como no ano passado. O modelo C21 mostrou-se sempre muito rápido. Em Interlagos, Felipe Massa definiu a performance do carro: "Saía de frente e de traseira." Ele teve de antecipar o pit stop para ver se mexendo em algo o C21 tornava-se mais dirigível. Nick Heidfeld, seu companheiro, foi obrigado a desistir por causa da quebra de algum componente do conjunto traseiro, responsável por forte vibração. Os dois registraram alguns dos piores tempos da corrida. O alemão fez 1min17s782, o 16.º, e Massa apenas o 22.º, 1min19s188, o que atesta suas dificuldades. A Sauber tem três pontos, decorrentes de uma quinta colocação, com Heidfeld, e sexta, de Massa, na Malásia.

Agencia Estado,

31 Março 2002 | 19h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.